D. António Francisco dos Santos propõe «sonhar sonhos de misericórdia como Deus sonha»

Porto, 22 nov 2016 (Ecclesia) – O bispo do Porto desejou que o Jubileu da Misericórdia, concluído este domingo, tenha continuidade numa Igreja de portas abertas, com “tempo, formas e motivação” para acolher todos.

“Este jubileu acordou em nós e bem para lá de nós o desejo e o dever de praticar as obras de misericórdia, com alegria. E tanto foi feito, mercê da graça de Deus e da disponibilidade de vida e de tempo de quantos acolheram este Ano Santo da Misericórdia com inesgotável alegria e encanto”, assinalou D. António Francisco dos Santos, na Missa de conclusão do Ano Santo extraordinário.

Na homilia enviada hoje à Agência ECCLESIA, o prelado deu “graças a Deus” por todos os que trabalharam no desenvolvimento da ação pastoral que o Jubileu da Misericórdia “inspirou”.

“Com uma Igreja de portas abertas encontraremos tempo, formas e motivação para acolhermos, para acompanharmos, para integrarmos e para irmos ao encontro dos irmãos, impelidos pela força transformadora da misericórdia divina, sem a ninguém esquecer, ignorar ou excluir”, desenvolveu, na Sé do Porto.

Para o bispo diocesano, este domingo, foi o dia de intuírem “o sonho de Deus para a Igreja e para a Humanidade” com a consciência que a misericórdia “é a síntese” do Evangelho.

“Hoje é, também, o dia de sonhar o futuro e de proclamar, sem medo e sem descanso: «Felizes os misericordiosos!»”, destacou D. António Francisco dos Santos, acrescentando que a Igreja no Porto quer “dar continuidade” ao “bem” do Jubileu.

Nesse sentido, propôs a toda a diocese e à sociedade, “desde já e numa continuidade sem interrupção”, uma caminhada de Advento e Natal inspirada na “ideia de sonhar sonhos de misericórdia como Deus sonha”.

A Diocese do Porto já publicou a sua campanha Advento/Natal que “assenta na ideia de sonhar, com Maria e José, «a família» e «em família» a alegria do Natal”.

Na celebração da conclusão do Jubileu Extraordinário, o bispo do Porto presidiu à instituição de ministérios de seis leitores e de seis acólitos a caminho do presbiterado e de três acólitos em ordem ao diaconado permanente.

“É um dia de alegria renovada ao vermos avançar para o diaconado permanente e para o presbiterado irmãos nossos, vindos das nossas Comunidades, dos nossos Seminários e da Sociedade dos Missionários da Boa Nova”, assinalou D. António Francisco dos Santos, uma intervenção também publicada no sítio online da diocese.

CB/OC

Partilhar:
Share