Organização católica procura formas de contrariar solidão dos idosos

Portalegre, 06 jun 2018 (Ecclesia) – O presidente da Cáritas da Diocese de Portalegre-Castelo Branco considera que o “grande problema e o mais preocupante” daquela zona do país é o envelhecimento populacional e a solidão dos idosos.

“É preciso ter uma atenção especial com as pessoas idosas” porque “muitos deles vivem isolados”, disse à Agência ECCLESIA Elicídio Bilé.

Uma das formas de combate a esta solidão passa pelo “voluntariado de proximidade” e na “criação de equipas” onde estão representadas diversas instituições, frisou o presidente da Cáritas da Diocese de Portalegre-Castelo Branco.

Através destas equipas consegue-se “sinalizar os casos” e depois acompanhar as pessoas que vivem na solidão, acrescenta.

Para além da solidão dos idosos, Elicídio Bilé realça que a Diocese de Portalegre – Castelo Branco tem sofrido “uma atrofia muito grande” ao nível do desenvolvimento, nos últimos anos.

“A atividade económica paralisou em muitas áreas e a indústria quase se perdeu no distrito de Portalegre”, lamenta o responsa´vel.

Como “não existem empregos”, os jovens partiram para outros locais na busca de melhores condições de vida, afirmou.

Para que a situação se altere, Elicídio Bilé pede o “empenhamento de todos: escolas, autarquias e entidades públicas”.

Apesar das potencialidades, o Distrito de Portalegre “está com dificuldades em sair do marasmo em que caiu”, sublinhou o responsável.

LFS

Partilhar:
Share