Francisco alertou para os «sistemas de saúde» preocupados com a parte «económica e financeira» que esquecem a «humanidade e proximidade»

Foto: Vatican News

Cidade do Vaticano, 01 fev 2020 (Ecclesia) – O Papa Francisco disse hoje que as estruturas de saúde devem ser “cada vez mais casas de acolhimento e conforto, onde o doente encontre amizade, compreensão, gentileza e caridade. Que encontre humanidade”.

“O doente não é um número. É uma pessoa que precisa de humanidade. Nesse sentido, é necessário estimular a colaboração de todos, para atender às necessidades dos doentes com espírito de serviço e atitude de generosidade e sensibilidade”, afirmou esta manhã no Vaticano, durante a audiência a médicos, enfermeiros, funcionários administrativos e diretores do Grupo Vila Maria Cuidado e Pesquisa.

Francisco alertou, de acordo com a sala de imprensa do Vaticano, para os “sistemas” de saúde, cujo objetivo é “apenas a componente económica e financeira” e lembrou a importância de uma ação de manifeste “proximidade à pessoa” para a poder auxiliar “com calor humano perante a ansiedade” que se atravessa nos períodos “críticos da doença”.

“Dessa forma, contribui-se concretamente para humanizar a medicina e a realidade hospitalar e de saúde. Numa palavra, proximidade: não devemos esquecê-la”, enfatizou.

Grupo Vila Maria Cuidado e Pesquisa é uma fundação italiana que desenvolve a sua atividade em vários países, há mais de 40 anos, na área da saúde e ao serviço da vida humana marcada pela doença.

O Papa encorajou os participantes na audiência a “perseverar com dedicação nos trabalhos” e pediu uma “nova cultura” na “preparação técnica e moral dos agentes de saúde” que possa acompanhar a evolução tecnológica e as mudanças de natureza social, económica e política, que vão “mudando o tecido em que se apoia a vida dos hospitais e estruturas de saúde”.

“Aqueles que se reconhecem na fé cristã são chamados a desempenhar seu serviço no espírito das palavras de Jesus: «Todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram». Aqui está o fundamento evangélico de serviço ao próximo”, indicou.

LS

Partilhar:
Share