António Estanqueiro, Professor e Formador

Agência Ecclesia/MC

A gratidão é o sentimento de quem reconhece as bênçãos que a vida lhe dá e o bem que recebe dos outros, todos os dias. Ninguém sobrevive nem conquista nada sozinho e nada está garantido para sempre.

Em cada dia, devemos sentir-nos gratos pelo dom da vida. Porque somos interdependentes, é justo agradecer a todos os que contribuem, com o seu saber e o seu esforço, para o nosso desenvolvimento pessoal, social e profissional. Merecem gratidão profunda os familiares e amigos que nos amam e apoiam incondicionalmente, sem esperar recompensa.

 

Benefícios de ser grato

Ser grato traz grandes benefícios. Protege a saúde física e mental, gera equilíbrio emocional e promove a paz interior. É uma fonte de felicidade. Sendo gratos, cuidamos não só do nosso próprio bem-estar, mas também do bem-estar daqueles a quem agradecemos. Contribuindo para a felicidade dos outros, sentimo-nos mais felizes.

A ingratidão, sinal de egocentrismo ou de arrogância, afasta as pessoas. Ao contrário, a gratidão autêntica revela empatia e humildade. Torna-nos mais próximos e capazes de exercer influência positiva sobre os outros. Alimenta relações fortes e duradouras.

Pelos seus benefícios, o sentimento de gratidão deve ser despertado nas crianças e nos adolescentes, através da educação na família e na escola, e cultivado por todas as pessoas. Precisamos de abrir o coração e valorizar o que somos e os bens de que desfrutamos (alimentação, habitação, segurança, saúde e educação), apesar dos inevitáveis momentos de frustração e sofrimento.

Como cultivar o sentimento de gratidão?

Cada um de nós encontra caminhos diferentes. Mas há um exercício simples que todos podemos realizar antes de adormecer. O exercício consiste em refletir com calma, durante uns minutos, sobre três coisas boas que nos aconteceram nesse dia e pelas quais nos sentimos gratos: o contacto com a natureza, a presença da família, uma conversa com um amigo, uma notícia positiva, um sucesso alcançado ou uma lição aprendida. Não faltam motivos de gratidão para quem abraça a vida com amor.

Realizando este exercício com regularidade, qualquer pessoa toma consciência daquilo que tem, em vez de se queixar do que lhe falta, e aprende a focar-se mais nos ganhos do que nas perdas. Muitos crentes aproveitam este momento privilegiado de silêncio e reflexão para dar graças a Deus pela beleza do universo, pelo milagre da vida e pelas bênçãos recebidas.

 

Formas de agradecer

Não basta sentir-se grato. Quando uma pessoa se interessa por nós e, com boas intenções, nos oferece ajuda, tempo ou amabilidade, devemos expressar-lhe a nossa gratidão com alegria. Sempre.

Saber agradecer é uma virtude que estimula a prática da bondade. Quanto mais gratos somos, mais bondade espalhamos à nossa volta.

A forma mais simples de agradecer a alguém consiste em dizer-lhe “obrigado”. Pessoalmente. O agradecimento direto e presencial, face a face, é mais eficaz na medida em que pode ser reforçado pela linguagem corporal: um olhar, um sorriso e um gesto de simpatia ou de afeto, de acordo com as circunstâncias.

Na comunicação presencial ou à distância é boa prática tratar cada pessoa pelo nome e explicitar por palavras aquilo que agradecemos. Em privado ou em público, as palavras devem ser sinceras e calorosas, vindas do coração. O importante é que a outra pessoa as aprecie verdadeiramente e não as interprete apenas como um ato formal de boa educação.

Há situações em que faz sentido escrever um bilhete, um cartão ou uma mensagem digital de agradecimento. Neste tempo dominado pelas tecnologias, agradecer com um cartão manuscrito é um ato de gentileza cada vez mais raro e, por isso, uma surpresa agradável para o destinatário.

Na interação com as pessoas que nos fazem o bem, a melhor forma de agradecer é retribuir diretamente o bem com o bem. Num horizonte mais alargado, se queremos retribuir todo o bem recebido de conhecidos e desconhecidos, devemos ser solidários e servir o bem comum. Muitas vezes colhemos o que outros semearam. Retribuir é semear com esperança para que outros possam colher.

António Estanqueiro
Professor e Formador

Partilhar:
Share