D. João Lavrador presidiu à Missa da Meia Noite na Igreja Matriz da Horta

Foto Igreja Açores

Horta, Açores 25 dez 2019 (Ecclesia) – O bispo de Angra e Ilhas dos Açores presidiu hoje à Missa da Meia-Noite na Igreja Matriz da Horta para celebrar o “maior de todos os acontecimentos da história da humanidade” que “liberta” e “oriente para o amor”.

Para D. João Lavrador, o Natal é um acontecimento que “ultrapassa todas as suas circunstâncias para libertar e salvar a pessoa humana em todos os contextos socioculturais, religiosos ou históricos em que viva”.

“É o mesmo eco que vem até nós com a mesma força, com a mesma mensagem e com a mesma interpelação, porque pretende responder às perguntas mais intimas do ser humano da atualidade”, afirmou

O bispo de Angra referiu que o “poder” que emerge do presépio “não se impõe mas se propõe”, “não obriga mas liberta”, “não submete mas orienta para o amor”.

“Eis a simplicidade de Deus. O ser sem qualquer contágio do ter; a manifestação do amor sem qualquer obscuridade de poder ou de domínio; a luz verdadeira sem nada que a ofusque”, afirmou D. João Lavrador.

O bispo de Angra lembrou que o Natal é um acontecimento que “ultrapassa todas as suas circunstâncias para libertar e salvar a pessoa humana em todos os contextos socioculturais, religiosos ou históricos em que viva”

Na homilia da Missa da Meia-Noite, D. João Lavrador referiu-se à “caminhada sinodal” na Diocese de Angra e disse que  “o nascimento de Jesus de Nazaré e o convite para o encontro com Ele na simplicidade do presépio é da máxima importância” para a contemplação da “beleza do Evangelho”, sentindo nela “força para o Seu anuncio”.

O bispo de Angra e Ilhas dos Açores preside às celebrações do Natal, em cada ano, numa das três vigararias da diocese e este ano está a ocidente, na Ilha do Faial

PR

Natal: Homilia do bispo de Angra na Missa da Meia-Noite

Partilhar:
Share