Foto: Comunidade de Taizé

Lisboa, 18 jan 2023 (Ecclesia) – O coordenador do Gabinete de Diálogo Inter-religioso da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023, padre Peter Stilwell, adiantou que duas comunidades francesas, com “longa tradição no diálogo ecuménico”, vão participar neste encontro, de 1 a 6 de agosto.

“Temos comunidades que têm uma longa tradição no diálogo ecuménico, como é a Comunidade de Taizé, temos outra comunidade importante ‘Chemin Neuf’ (Caminho Novo). Ambas têm um projeto para animação ecuménica”, disse o sacerdote à Agência ECCLESIA.

O coordenador do Gabinete de Diálogo Inter-religioso da JMJ Lisboa 2023 adianta que ao longo da semana da Jornada em Lisboa, de 1 a 6 de agosto, a Comunidade monástica de Taizé vai estar na igreja de São Domingos, junto ao Rossio, enquanto a Comunidade ‘Chemin Neuf’ vai ficar na Basílica da Estrela.

Em entrevista emitida hoje no Programa ECCLESIA (RTP2), no início da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023, o padre Peter Stilwell explicou que os monges de Taizé têm uma base da Reforma Protestante, “embora tivesse um ou outro católico”; o ‘Chemin Neuf’ é de “origem de base católica”, e tem ortodoxos e protestantes na sua comunidade.

No âmbito do diálogo entre cristãos, o coordenador do Gabinete de Diálogo Inter-religioso da JMJ Lisboa 2023 lembra que o Conselho Português das Igrejas Cristãs (COPIC), através do seu presidente, D. Jorge Pina Cabral (bispo da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana), “já contactou” a Jornada para “ver como podiam participar”, e uma das ideias partilhadas foi abrir a Catedral de São Paulo para poder ser visitada.

“Tem um belo claustro que poderia ser um espaço para organizar uma exposição sobre as questões do ecumenismo”, salientou o padre Peter Stilwell.

No contexto do Diálogo Inter-religioso, o sacerdote assinala os contactos da comunidade judaica e da muçulmana de Lisboa “a mostra interesse em participar de alguma maneira” na JMJ 2023, a organização local do encontro mundial da Igreja Católica considera que os “espaços de culto” destas duas comunidades também podem ser visitadas pelos jovens que vão estar no encontro na capital portuguesa e, eventualmente, “os jovens das suas comunidades poderão participar entre os voluntários das Jornadas”.

As edições internacionais da JMJ são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A Jornada Mundial da Juventude nasceu por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude, e desde então tem-se evidenciado como um momento de encontro e partilha para milhões de pessoas por todo o mundo.

PR/CB/OC

Partilhar:
Share