D. Manuel Clemente celebrou solenidade da Imaculada Conceição e desafiou a ultrapassar «atualidade negativa» e de descrença na humanidade

Lisboa, 09 dez 2019 (Ecclesia) – O cardeal-patriarca de Lisboa convidou a uma atitude de esperança na celebração da solenidade da Imaculada Conceição, a que presidiu na Sé da capital, este domingo.

“Celebrar a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, também como Padroeira de Portugal, desembacia-nos os olhos da alma na convicção de que a Luz de Cristo, que nela despontou, vence toda a treva, convence todo o espírito e garante toda a esperança”, afirmou, durante a homilia da celebração.

O cardeal-patriarca alertou para o risco de “viver por viver, ou de seguir tudo pela rama, e só porque costuma ser assim”.

“Há muita tristeza acumulada, muita frustração ressentida, muita depressão profunda”, lamentou.

Não desistamos de prosseguir, com este horizonte de esperança, onde nunca se porá o Sol de Cristo. Horizonte de esperança, deixai-me insistir, como muito precisamos de antevê-lo. Sobretudo quando tanta guerra nos adia a paz, tanto mal contradiz o bem e tanta escuridão quase extingue a luz”.

Falando do exemplo de Maria, o patriarca de Lisboa pediu que “a graça” que em Nossa Senhora foi “plena”, possa fazer “coincidir” cada pessoa “com a vontade de Deus, que não desiste de recriar o mundo”, numa atitude que “recomeça sempre no coração e na vontade” de cada pessoa.

LS

Partilhar:
Share