Responsável português fala em «novo marco» para a organização da JMJ, após inscrição do Papa Francisco

Foto: JMJ Lisboa 2023

Lisboa, 23 out 2022 (Ecclesia) – O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, D. Américo Aguiar, disse hoje que a inscrição do Papa no evento é um “novo marco” para a organização, convidando todos os jovens a unir-se numa celebração da “paz” e “fraternidade”.

“A abertura das inscrições assinala um novo marco para a organização da JMJ Lisboa 2023, em que todos são convidados a participar num encontro internacional que pretende promover a paz, a união e a fraternidade entre os povos e as nações de todo o mundo”, referiu o coordenador-geral do Comité Organizador Local (COL) da próxima Jornada Mundial da Juventude, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

A mensagem chega após a inscrição do Papa Francisco como primeiro peregrino da JMJ, que Portugal vai receber pela primeira vez de 1 a 6 de agosto de 2023.

“Teremos a oportunidade de acolher a juventude do mundo inteiro em Portugal e de lhes proporcionar uma experiência única”, indicou D. Américo Aguiar.

Foto: Lusa/EPA

O anúncio do Papa, na janela do Palácio Apostólico, foi acompanhado por duas jovens portuguesas estudantes do programa Erasmus em Roma: Maria de Assis Libório, natural de Lisboa e estudante de arquitetura; e Diana Lourenço Gonçalves, natural de Braga e estudante de medicina, ambas na Universidade La Sapienza.

“Este é o momento em que eu testemunho em nome dos jovens portugueses a nossa comunhão com Deus e com a Igreja através do representante de Cristo na Terra que é o Papa Francisco. Cristo está vivo e continua a amar a sua igreja, através dos Papas, através dos jovens e é por isso que as jornadas são muito importantes neste momento porque mostram uma igreja viva, Cristo está vivo em nós, naqueles que o transportam e o levam por todo o mundo, é este o convite de hoje, levar Jesus através das jornadas”, disse Maria Libório, após o momento do anúncio da abertura das inscrições pelo Papa.

“Levo hoje também comigo todos os jovens que vão participar nesta missão e a responsabilidade que a Igreja depositou em nós, jovens portugueses, de receber peregrinos de todo o mundo”, acrescentou, em declarações ao site oficial da JMJ LIsboa 2023.

Diana Gonçalves falou, por sua vez, numa “oportunidade única” que acolheu “com muita alegria e surpresa”.

“É um privilégio enorme poder estar presente aqui neste dia tão importante. Já agora não poderei deixar de fazer o convite a todos os jovens para se inscreverem nas Jornadas Mundiais da Juventude, porque são estas experiências que nos fazem crescer e abrir os nossos horizontes”, declarou.

Quem se pretenda inscrever como peregrino, voluntário, no Festival da Juventude ou na Feira das Vocações pode fazê-lo no site oficial, que inclui ainda um formulário próprio para bispos.

As iniciativas da JMJ Lisboa 2023 têm “acesso gratuito para todos”, sublinha o COL, que, à imagem de jornadas anteriores, “organiza e disponibiliza opções de pacotes para que os peregrinos se possam inscrever e aceder a um conjunto de serviços, como alojamento, alimentação, transporte e segurança e o kit do peregrino”.

Francisco inscreveu-se hoje, após a recitação do ângelus na Praça São Pedro, no Vaticano, marcando assim a abertura das inscrições para o encontro do próximo ano, na capital portuguesa.

A JMJ 2023 tem como tema “Maria levantou-se e partiu apressadamente”, uma passagem do Evangelho de São Lucas (Lc 1, 39), relativa à visita da mãe de Jesus à sua prima Santa Isabel, para a acompanhar na sua gravidez.

Na mensagem para esta Jornada Mundial da Juventude, divulgada em setembro, Francisco convidou os jovens para um “abraço da reconciliação e da paz”, em Lisboa.

“Queridos jovens, que na JMJ possais experimentar novamente a alegria do encontro com Deus e com os irmãos e as irmãs. Depois dum prolongado período de distanciamento e separação, em Lisboa – com a ajuda de Deus – reencontraremos juntos a alegria do abraço fraterno entre os povos e entre as gerações, o abraço da reconciliação e da paz, o abraço duma nova fraternidade missionária”, escreve.

O Papa apresenta os jovens como esperança duma “nova unidade para a humanidade fragmentada e dividida”.

Queridos jovens, é tempo de voltar a partir apressadamente para encontros concretos, para um real acolhimento de quem é diferente de nós, como acontece entre a jovem Maria e a idosa Isabel. Só assim superaremos as distâncias entre gerações, entre classes sociais, entre etnias, entre grupos e categorias de todo o género, e superaremos também as guerras”.

A XXXVII Jornada Mundial da Juventude será celebrada este ano, nas dioceses católicas, a 20 de novembro (solenidade litúrgica de Cristo-Rei) e, a nível internacional, em Lisboa de 1 a 6 de agosto de 2023 – após ter sido adiada, por um ano, devido à pandemia de Covid-19.

“Espero e creio fortemente que a experiência que muitos de vós ireis viver em Lisboa, no mês de agosto do próximo ano, representará um novo começo para vós jovens e, convosco, para toda a humanidade”, realça o Papa.

‘Todos juntos em Lisboa!’ é um dos tópicos da mensagem, na qual se evocam os “últimos tempos tão difíceis, em que a humanidade já provada pelo trauma da pandemia, é dilacerada pelo drama da guerra”.

As edições internacionais da JMJ são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A JMJ nasceu por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude, e desde então tem-se evidenciado como um momento de encontro e partilha para milhões de pessoas por todo o mundo.

A primeira edição aconteceu em 1986, em Roma, tendo passado pelas seguintes cidades: Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

OC

Notícia atualizada às 23h59

Lisboa 2023: Papa inscreveu-se na próxima JMJ

Partilhar:
Share