O cardeal caminhou “no meio do povo” em  quarta-feira de Cinzas

Foto: Diocese de Leiria-Fátima

Leiria, 28 fev 2020 (Ecclesia) – O cardeal D. António Marto presidiu à celebração das Cinzas, na última quarta-feira, em Leiria, destacando a “necessidade do cristão dar testemunho concreto do amor”. 

“Fizemos esta caminhada como Igreja que somos, penitente e pecadora, e o bispo veio no meio do seu povo como membro do povo de Deus, também ele penitente e pecador”, disse o bispo de Leiria-Fátima.

D. António Marto subiu ao monte do santuário de Nossa Senhora da Encarnação onde foram apresentadas várias reflexões quaresmais.

O bispo de Leiria-Fátima focou depois a mensagem de Quaresma do Papa Francisco e a “necessidade que o cristão deve ter de dar testemunho concreto do amor com que Cristo o abraça”. 

“Por um lado “colocar o Mistério pascal no centro da vida significa sentir compaixão pelas chagas de Cristo crucificado presentes nas inúmeras vítimas inocentes das guerras, das prepotências contra a vida desde a do nascituro até à do idoso, das variadas formas de violência, dos desastres ambientais, da iníqua distribuição dos bens da terra, do tráfico de seres humanos em todas as suas formas e da sede desenfreada de lucro, que é uma forma de idolatria”, citou. 

Por outro, “também hoje é importante chamar os homens e mulheres de boa vontade à partilha dos seus bens com os mais necessitados através da esmola, como forma de participação pessoal na edificação dum mundo mais justo”, acrescentou.

Na sua homilia D. António Marto referiu as várias iniciativas que a diocese promove para este tempo de Quaresma, como o Retiro Popular, ou as “24 Horas Para o Senhor” que estão marcadas para os dias 20 e 21 de março, ao cuidado das paróquias, vigararias e outras comunidades, não esquecendo a “atenção que deve ser dada ao sacramento da Reconciliação”.

SN

Partilhar:
Share