Sinos vão tocar ao meio-dia no Domingo de Páscoa

Foto: Diocese de Lamego (imagem de arquivo)

Lamego, 31 mar 2020 (Ecclesia) – O bispo de Lamego publicou orientações para as celebrações de Semana Santa e Tríduo Pascal, em igrejas vazias por causa da pandemia de Covid-19, deixando uma mensagem de esperança às comunidades católicas.

“O Ressuscitado enche todos os espaços e deles transborda, enche todas as vidas e delas transborda. Jesus Cristo não nos deixa sós e abandonados. Vemo-lo nas ruas, nos hospitais, nos nossos Lares de idosos, nas nossas casas, nas farmácias, nos mercados, no rosto de tanta gente de boa vontade que luta e reza no meio desta tempestade”, escreve D. António Couto, numa mensagem divulgada hoje pelo site diocesano e enviada à Agência ECCLESIA.

O responsável católico recorda as imagens da bênção ‘urbi et orbi’ a que o Papa presidiu na última sexta-feira, na Praça de São Pedro, considerando que também é “confrangedor e comovente” ver as igrejas vazias em horas de celebração, sobretudo neste tempo Santo da Semana Santa e da Páscoa da Ressurreição.

“Corações ao alto, portanto, amados irmãos e irmãs, e continuemos a invocar a proteção de São Sebastião, nosso Padroeiro e poderoso Intercessor contra a peste, a fome e a guerra, e de Santa Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, Saúde dos Enfermos, que aqui invocamos com o título de Nossa Senhora dos Remédios”, apela.

Tendo em conta as normas da Santa Sé e da Conferência Episcopal Portuguesa, o bispo de Lamego determina que a celebração dos mistérios litúrgicos do Tríduo Pascal aconteça “sem a participação física dos fiéis, no cumprimento das indicações das autoridades eclesiásticas e civis e de saúde”.

Aos párocos é pedido que avisem os fiéis da hora de início das celebrações, “para que, nas suas casas, se possam sentir unidos como corpo celebrativo”.

A Missa Crismal, habitualmente celebrada na manhã de 5.ª Feira Santa, pelo bispo e seu presbitério, fica adiada para “data oportuna”.

O bispo diocesano celebrará na Igreja Catedral de Lamego a Missa da Ceia do Senhor, às 17h00 de 5.ª Feira Santa; a Paixão do Senhor, às 17h00 de 6.ª Feira Santa; e a Vigília Pascal, às 21h00 de Sábado Santo. Estas celebrações serão transmitidas por meios telemáticos.

D. António Couto pede que, no Domingo de Páscoa da Ressurreição, às 12h00, em todas as igrejas da Diocese, se toquem festivamente os sinos, “sinal do anúncio da vitória de Cristo sobre a morte, e de esperança para todos os homens e mulheres que partilham este tempo de sofrimento e de comunhão entre todas as comunidades e pessoas”.

A diocese propõe ainda uma dinâmica para a Semana Santa 2020, que se inicia a 5 de abril: “elaborar uma Cruz, colocar num lugar visível (porta, janela, varanda, jardim), com faixa roxa (se fizerem entretanto), no Domingo de Ramos, colocar um ramo a enfeitar; na Páscoa, envolver com faixa/pano branca”.

OC

Partilhar:
Share