«Apesar do distanciamento físico, estes jovens conseguiram construir pontes no online e crescer na fé» – Padre Victor Portugal

Fátima, 18 jul  2020 (Ecclesia) – A Pastoral Juvenil e Vocacional dos Missionários Claretianos em Portugal dinamizou o ‘Campo de Férias Claret 2020’ através dos meios digitais com oração, testemunhos, trabalho em grupo, celebração e convívio, onde não falou a “piscina” no programa.

“Correspondeu às minhas expectativas, até as superou, foi muito importante poder fazer atividades com amigos que não vejo há muito, e que sentia tanta falta, e fazer novos amigos sabe sempre bem”, disse José Miguel Ramos em declarações à Agência ECCLESIA.

O padre Victor Portugal, responsável pela equipa de Pastoral Juvenil e Vocacional dos Missionários Claretianos em Portugal, assinala que os jovens “mostraram-se bastante animados e motivados, pedindo mais atividades e mais momentos como este” e concluem que, “apesar do distanciamento físico, estes jovens conseguiram construir pontes no online e crescer na fé”.

“Foi incrível. A verdade é que os animadores fizeram atividades incríveis e muito divertidas”, acrescentou José Miguel Ramos, estudante de 14 anos de Tondela, que participou pelo segundo ano neste campo de férias.

O ‘Campo de Férias Claret 2020’ teve três objetivos principais, explicou o padre Victor Portugal, dar a conhecer aos jovens “um pouco da vida de Santo António Maria Claret”, o fundador dos Claretianos, “proporcionar um encontro com Deus” e que estes jovens “se sentissem acompanhados”, mostrar-lhes que não estão sozinhos e que “a fé pode crescer dentro do mundo online”.

“Abraçar este desafio de um campo de férias online foi um risco que não podíamos deixar de correr”, afirma Joana Carvalho, animadora na Juventude Claretiana desde 2010, adiantando que “não sabia bem” de que forma iriam conseguir chegar aos jovens porque “é muito mais fácil manter o foco deles” quando estão “todos juntos”.

O ‘Claret Online 2020’ decorreu entre 1 e 4 de julho, com um programa que proporcionou momentos de oração, de trabalho em grupo, celebração, ouviram também testemunhos vocacionais e não falou a piscina neste encontro de verão.

“O que mais gostei e que se destacou no meu coração foram as atividades e as chamadas que fazíamos em grupo – três grupos, cada um com dois monitores -. Foi divertido falarmos sobre as atividades e como Deus é importante para nós”, desenvolveu José Miguel Ramos.

Segundo o jovem tondelense, o campo de férias da Juventude Claretiana “é excelente para refletir”, algo que nesta edição online “não mudou”.

Joana Carvalho conta que “foi um verdadeiro desafio” e quando pensaram na atividade “não podiam faltar alguns momentos fundamentais” – a oração, o trabalho pessoal, o trabalho de grupo, os momentos de partilha e os momentos de convívio – e utilizaram “os meios que os jovens mais gostam” e foram “o mais práticos possível” nos materiais que foram “todos enviados pelo Whatsapp”.

A animadora de Perosinho, em Vila Nova Gaia, recorda que deixavam o “whatsapp à disposição para que, a qualquer hora, eles pudessem falar fez a diferença”, e cada dia terminava “com uma videochamada de partilha em grupo”.

“O facto de termos proposto a recriação do momento da piscina, onde jovens e animadores foram muito criativos, bem como a Claret’s party que tivemos pelo ZOOM na última noite da atividade (partilha, jogos, música e dança) ajudou a criar o espírito de grupo”, acrescentou Joana Carvalho, jovem de 27 anos, enfermeira e musicoterapeuta.

As atividades de verão da Pastoral Juvenil e Vocacional dos Missionários Claretianos têm “sempre” um momento dedicado à piscina e, segundo o padre Victor Portugal, nesta edição online, o desafio foi “tirar uma foto e gravar um pequeno vídeo” recriando a ida à piscina e foram “extremamente criativos, desde “banhos de sol na varanda, a baldes de água fria, a piscinas de relva, a chuveiros e banheiras, a banhos na bacia”.

“Ri muito e fiquei surpreendido pelo facto da piscina online, acho que  foi uma das atividades mais engraçadas que fizemos”, comentou José Miguel Ramos.

 

Sobre o futuro, o padre Victor Portugal refere que a Pastoral da Juventude dos Missionários Claretianos tem como objetivo principal “evangelizar os jovens, na perspetiva do Papa Francisco”, de irem “ao seu encontro”, outros objetivos “prendem-se com o anúncio da Boa Nova do Evangelho de Jesus Cristo, por meio de encontros programados de animação juvenil, de formação bíblica, de capacitação humana integral, de retiros”.

Num percurso, que estão “prestes a começar”, rumo à Jornada Mundial da Juventude 2023, em Lisboa, vão realizar na semana anterior ao encontro oficial, uma JMJ em Família Claretiana, mas não vão estar “de braços cruzados, à espera que chegue a oportunidade e o momento ideal para iniciar ou avançar com todo o processo de preparação e organização do evento”.

O jovem José Miguel Ramos, que ainda não participou em nenhuma edição internacional da JMJ, afirma que se tiver “companheirismo e união”, como o campo de férias Claret, “será extraordinário”.

CB

Partilhar:
Share