Responsáveis destacam impacto de mudança promovido pelo evento mundial

D. Américo Aguiar, Duarte Ricciardi, Víctor Chang e D. José Domingo Ulloa Mendieta (esquerda para a direita) Foto: JMJ Lisboa 2023

Lisboa, 02 abr 2022 (Ecclesia) – Uma delegação do Comité Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Panamá 2019 concluiu hoje uma visita aos responsáveis da edição em Lisboa, em agosto de 2023, destacando o impacto do evento promovido pela Igreja Católica.

“Esta é uma grande oportunidade, tanto para a Igreja como para o país, de apresentar a sua melhor cara, de receber os peregrinos, de poder também desfrutar desta grande festa que é a JMJ”, disse o secretário-executivo do COL da JMJ 2019, na sede da Fundação JMJ Lisboa 2023.

Em declarações à Agência ECCLESIA, Víctor Chang explicou que o segredo para pôr todas as pessoas a trabalharem em conjunto foi “partilhar a responsabilidade”, saberem que “o êxito da jornada depende de todos”, e que eram “uma grande equipa e apenas juntos” podiam fazer o melhor para os peregrinos.

Já o responsável da área da logística da Jornada Mundial da Juventude 2019 assinalou que o encontro apresenta muitos desafios e um dos principais é “organizar todas as áreas independentemente da sua experiência”, pô-los ao serviço.

“Um serviço em comum que é receber os jovens, atender os jovens, dar uma proposta de Igreja que lhes dê esperança, e permita sentir fazer-se parte de algo: Esta parte de algo é sempre o coração de Deus”, desenvolveu Luís Ponce Gil.

O Panamá recebeu a 34ª Jornada Mundial da Juventude, entre os dias 22 e 27 de janeiro de 2019, e Víctor Chang destacou que as transformações que aconteceram logo nesse ano, na Igreja e na sociedade, como os jovens mais empoderados nas paróquias e a nível público.

“Temos muito mais jovens comprometidos, muito disto mostrou-se na pandemia – a quantidade de jovens que se decidiram pela solidariedade e estar pelos outros, foi muito bonito”, acrescentou.

Segundo o secretário-executivo do COL da JMJ 2019, os jovens tinham “muito mais visibilidade” e a jornada foi “um trampolim para isso, uma plataforma” para que fosse um momento para os jovens.

Duarte Ricciardi, secretário-executivo da Fundação JMJ Lisboa 2023, destacou que “o poder de transformar” é a diferença entre este encontro da Igreja Católica e “qualquer grande evento que exista no mundo”.

“Ser tudo à volta da fé, ser centrado em Deus, através também da imagem do Papa, essa é a mais-valia e temos de ser muito conscientes disso e não nos focarmos só na logística, nas finanças”, desenvolveu o entrevistado.

Luís Ponce Gil observou que o evento internacional aos jovens mais adultos, e outros mais velhos, a “uma terceira juventude”, ajudou a reinventar-se para servir os mais novos, adaptarem-se “à sua realidade, perceber os seus porquês”, e como podem “integrá-los como uma só sociedade e um só serviço à Igreja”.

Ainda na área dos conselhos para quem está a preparar a JMJ em Portugal, o responsável do setor logístico da JMJ 2019 afirma que “o primeiro é ser humilde”, reconhecer que todos são “partes de um corpo, reconhecer que todos podem acrescentar algo a este processo”, e que tenham sempre “uma atitude de escuta, que confiem”.

Para o secretário-executivo da Fundação JMJ Lisboa 2023 “é um privilégio” receber os “irmãos do Panamá”, alguém que já viveu a jornada a lembrar que têm de “aproveitar este tempo, viver isto de forma positiva, com humildade”.

O arcebispo do Panamá, D. José Domingo Ulloa Mendieta, também integrou esta delegação do Comité Organizador Local da JMJ Panamá 2019.

Os responsáveis foram recebidos, esta segunda-feira, na nova sede da Fundação JMJ Lisboa 2023, na antiga manutenção militar do Beato, por D. Américo Aguiar, presidente da instituição.

PR/CB/OC

Igreja: Responsáveis do Panamá visitaram nova sede da Fundação JMJ Lisboa 2023

Partilhar:
Share