O Bispo das Forças Armadas e Forças de Segurança realça que esta peregrinação tem “aproximado os jovens da mensagem central”.

Figueira da Foz, 19 dez 2022 (Ecclesia) – O Bispo das Forças Armadas e das Forças de Segurança considera que a presença dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na diocese tem proporcionado “grandes celebrações” e “aproximado os jovens da mensagem central”.

“A presença dos símbolos tem aproximado os nossos jovens da mensagem central que o Papa Francisco quer veicular e concretamente nestes jovens pela sua entrega no serviço, segurança e defesa dos outros”, disse D. Rui Valério à Agência ECCLESIA no Centro de Formação da Guarda Nacional Republicana na Figueira da Foz.

Durante este mês de dezembro, os símbolos da JMJ, (cruz e o ícone Salus Populi Romani) estão a percorrer a Diocese das Forças Armadas e das Forças de Segurança, “um momento providencial” porque “tem permitido uma aproximação muito grande entre a cruz e Nossa Senhora” e “o mistério do Natal”, realçou o bispo.

Os próprios símbolos na sua “dimensão antropológica” e “ética” apresentam-se “como um manancial de valores” onde se reencontram os valores do serviço, sacrifício, dádiva da própria vida e apontar para Deus”.

Os símbolos têm sido acolhidos “de forma calorosa” e da parte da instituição tem “existido uma disponibilidade e abertura incomensurável”, sublinhou D. Rui Valério.

As Forças Armadas e Forças de Segurança dispensam aos símbolos da JMJ as “mesmas honras que são dispensadas às altas entidades”.

O padre João Paulo Vaz, autor da letra do hino da JMJ, esteve naquele centro de formação onde foram os jovens “foram convidados a participar naquele evento que se realiza na cidade de Lisboa, de 01 a 06 de agosto de 2023”.

“Uma experiência fantástica” onde o sacerdote cantou o hino “com os presentes”.

HM/LFS

Partilhar:
Share