Responsáveis convidam jovens lusófonos a participar presencialmente na primeira Jornada em território português

Foto: JMJ Lisboa 2023

Lisboa, 07 dez 2022 (Ecclesia) – A Fundação JMJ Lisboa 2023 promoveu o encontro mundial do próximo ano junto dos jovens da Guiné-Bissau e Timor-Leste, apelando à participação presencial nesta primeira Jornada em território português.

A comitiva do Comité Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Lisboa 2023 participou na Peregrinação Nacional a Cacheu, na Guiné-Bissau, a 2 e 3 de dezembro, que contou com mais de 7 mil participantes de todas as idades e de diversas localidades.

O padre Nuno Coelho, um dos elementos da comitiva, refere ao site oficial da JMJ Lisboa 2023 que esta foi uma oportunidade para “estabelecer pontes de diálogo”, realçando a importância desta proximidade já que é mais fácil conseguir inscrições de “pessoas que são amigas, que são irmãs”.

À Rádio Sol Mansi (Guiné-Bissau), Pedro Ary, representante do COL, relembrou o tema da JMJ Lisboa 2023 “Maria levantou-se e partiu apressadamente”, chamando a atenção para este “espírito de missão” que faz parte da Jornada Mundial da Juventude.

O jovem português deixou o convite aos jovens da Guiné-Bissau para que “venham em missão, para ensinarem ao mundo a vossa alegria, a vossa cultura, a vossa felicidade” bem como para que “possam também voltar em missão e trazer o que receberam dos jovens de Lisboa e de todo o mundo”.

O Coordenador da Comissão da Adolescência e Juventude da Diocese de Bissau, frei Galeano Oliveira, ressalva que é a primeira vez que este convite é feito diretamente aos jovens da Guiné-Bissau, e que este esforço se trata também, em grande parte, por se tratar de uma JMJ realizada em Portugal, país com o qual a Guiné-Bissau mantém uma relação de proximidade.

“A vossa presença é um ponto alto, sensibilizou-nos muito”, referiu, adiantando que a diocese está a tentar organizar um grupo de 140 pessoas, entre jovens peregrinos, padres e também voluntários, para participar na jornada de Lisboa.

Foto: JMJ Lisboa 2023

Ainda em dezembro, outra comitiva do COL esteve em Timor-Leste, acompanhada por jovens, sacerdotes e famílias das várias dioceses locais.

O padre Duarte da Cunha, que integra a Direção do Acolhimento e Voluntariado, disse em entrevista à RTTL, Rádio Televisão Timor-Leste, que o encontro de Lisboa quer dar “um sinal de esperança, pela paz”.

O sacerdote do Patriarcado teve oportunidade de explicar o programa e o tema da JMJ Lisboa 2023, assumindo que a organização portuguesa gostaria de poder contar com “uma boa representação Timor”.

Uma equipa do Comité Organizador Local da JMJ Lisboa 2023 passou pelas várias dioceses timorenses, encontrando “o desejo de participar, de muitos jovens”.

O padre Duarte da Cunha admite que as questões económicas podem pesar, no momento da inscrição, apelando “ao apoio da sociedade, das autoridades, das associações e das organizações” de Timor-Leste.

“Todos ficam a ganhar”, apontou, falando num “investimento positivo”.

O sacerdote aludiu ainda à necessidade de “milhares de voluntários” na preparação e realização da Jornada.

“Participem, quer indo à Lisboa, quer vivendo à distância, mas intensamente, acompanhando o que acontecerá, os encontros, as palavras que o Papa terá para dizer aos jovens”, concluiu.

Sobre esta visita da JMJ Lisboa 2023, o cardeal de Díli, D. Virgílio do Carmo da Silva, realçou a importância de “criar uma boa relação com várias culturas do mundo”, destacando a Jornada Mundial da Juventude como “um momento de experiência de fé com os jovens”.

D. Virgílio do Carmo da Silva aproveitou para encorajar os jovens a participarem neste grande encontro, já que esta “é uma experiência que não dá para ter todos os anos”.

O primeiro cardeal timorense acredita que os jovens que poderão estar em Lisboa, em agosto de 2023, voltarão depois a Timor-Leste para partilhar as suas experiências, levando “esse testemunho para toda a gente, especialmente para os outros jovens”.

O padre Francisco Nascimento de Serra, coordenador da Pastoral Juvenil da Diocese de Maliana, referiu ao site da JMJ 2023 os jovens que querem participar no encontro de Lisboa precisam de “iniciativa e criatividade”.

Foto: JMJ Lisboa 2023

O COL informou que mais de 200 mil jovens de todo o mundo já iniciaram a inscrição no maior encontro com o Papa, com 120 países representados.

A Fundação JMJ Lisboa 2023 esteve a promover a JMJ Lisboa 2023 junto dos países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), durante os meses de novembro e dezembro.

OC

Notícia publicada inicialmente a 06.12.2022 e atualizada com informações sobre a presença do COL na Guiné-Bissau

Partilhar:
Share