Vereador da Câmara Municipal de Lisboa vai acompanhar operacionalmente «trabalhos de preparação e organização»

Secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Tiago Antunes; D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023; e José Sá Fernandes, vereador da C. M Lisboa Foto: Portugal.gov

Lisboa, 28 jul 2021 (Ecclesia) – O primeiro-ministro, António Costa, nomeou hoje José Sá Fernandes como coordenador do Grupo de Projeto para a JMJ 2023, criado pelo Governo português para acompanhar os “trabalhos de preparação e organização” da Jornada Mundial da Juventude, em Lisboa.

“Além da organização da JMJ 2023 propriamente dita, o Grupo de Projeto vai também acompanhar e preparar a requalificação urbanística e a valorização ambiental e ecológica da zona ribeirinha onde atualmente se localiza o Complexo Logístico da Bobadela, cujos terrenos começarão a ser desocupados para efeitos da realização da JMJ 2023”, indica o comunicado.

Na informação divulgada na internet, o Governo português lembra que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que vai decorrer em Lisboa em 2023, é um “evento religioso de grande dimensão, que reúne milhões de católicos oriundos de todo o mundo, sobretudo jovens”.

O Governo lembra “a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023”, cujo trabalho vai ser acompanhado “em termos operacionais”, pelo “Grupo de Projeto” criado pelo Governo.

“De modo a garantir a adequada preparação para o evento, José Sá Fernandes irá iniciar as suas funções a partir do dia 11 de outubro de 2021”, indica o comunicado.

O Grupo de Projeto para a JMJ 2023 foi criado pelo governo em abril deste ano, para “assegurar o acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação e organização do evento” e determinou, na ocasião, a “desocupação das parcelas necessárias à sua realização” estabelecendo um “calendário gradual para a relocalização definitiva do Complexo Logístico rodoferroviário da Bobadela”.

Esta área será “reconvertida”, tendo em vista a requalificação urbanística e valorização ambiental e ecológica da zona ribeirinha de Loures, “de maneira a privilegiar a fruição do espaço público na relação entre o rio Tejo e o território adjacente”.

A próxima edição internacional da JMJ, no verão de 2023, vai decorrer na zona do Parque Tejo, junto ao espaço que acolheu a Expo’98.

A escolha de Lisboa como primeira cidade portuguesa a acolher uma edição internacional da JMJ aconteceu a 27 de janeiro de 2019, no Panamá.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A primeira edição aconteceu em 1986, em Roma, e desde então a JMJ já passou pelas seguintes cidades: Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

PR

Partilhar:
Share