Banda «Os Quatro e Meia» participou no concerto «Rumo 23», promovido pela Vigararia de Cascais no âmbito da peregrinação a Cruz do COD de Lisboa

Foto Agência ECCLESIA/PR

Estoril, 19 mar 2022 (Ecclesia) – Tiago Nogueira, da banda Os Quatro e Meia, disse que a Jornada Mundial da Juventude é um “evento de excelência” e deseja a “participação massiva” de jovens de todo o mundo, em Lisboa, para “sonhar um mundo melhor”.

“É sobretudo quando somos jovens que temos a força suficiente para sonhar alto e fazer com que as coisas aconteçam. Continuamos a sonhar mas perdemos um pouco a força de mudar o mundo”, afirmou o músico em declarações à Agência ECCLESIA, após o concerto no Centro de Congressos do Estoril.

A banda Os Quatro e Meias participaram no concerto “Rumo 23”, promovido pelas paróquias de Cascais no âmbito da divulgação da Jornada Mundial da Juventude, que está a acontecer com a peregrinação da Cruz do COD (Comité Organizador Diocesano) de Lisboa.

“A Jornada Mundial da Juventude é um evento de excelência, que mobiliza muita gente e ficamos super orgulhosos de nos convidarem a estar cá, sobretudo porque o concerto teve este cariz social tão atual e tão importante”, afirmou Tiago Nogueira.

Foto Agência ECCLESIA/PR

Os Quatro e Meia foram uma das quatro bandas que participaram no concerto “Rumo 23”, promovido pela Vigararia de Casque e que decorreu na noite desta sexta-feira, onde participaram também Elisa, os Duque Província e os Lado B.

De entrada livre, cada pessoa foi convidada a levar alimentos não perecíveis que vão ser encaminhados para os refugiados na fronteira com a Ucrânia.

O vocalista e guitarrista d’Os Quatro e Meia referiu também que a realização da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa, em 2023, deverá ser uma “festa que possa orgulhar as pessoas”.

“Que nos orgulhe a todos enquanto humanidade, que os nossos jovens se possam juntar e sonhar com um mundo melhor. Porque sonhar não paga imposto”, acrescentou

O concerto “Rumo 23” foi uma das ações promovidas pelos jovens da Vigararia de Cascais no âmbito da presença da Cruz do COD de Lisboa, que realizaram uma “mini jornada” em cada fim de semana da peregrinação.

“Em cada fim de semana houve um evento relacionado com a jornada: via-sacra, oração… E decidimos que fazia todo o sentido haver também esta parte de alegria, convívio, o Festival”, referiu Xana Faria, que faz parte da organização.

Para Xana Nunes, muitos jovens que não conhecem a jornada participaram no concerto e tiveram a oportunidade de “ouvir qualquer coisa” sobre a JMJ durante a noite, onde foi partilhado um testemunho de quem participou na primeira Jornada, em Roma, em 1986, e na última, no Panamá, em 2019.

“Mesmo que não saiam a saber o que são as jornadas, saem com a vontade de ver, com a ideia de que ser cristão não é só oração – também é, claro que sim – mas isto também é importante,  isto também é bom, a alegria, a convivência, esta dinâmica toda”, afirmou.

O Comité Organizador Diocesano (COD) de Lisboa está a promover a peregrinação da Cruz da JMJ pelas 18 vigararias da Diocese, com o objetivo de “ir despertando as comunidades para o caminho de preparação para a JMJ”.

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é um encontro dos jovens de todo o mundo com o Papa, foi instituída por João Paulo II, em 1985. A primeira edição aconteceu em 1986, em Roma, e desde então a JMJ já passou pelas seguintes cidades: Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

No dia 27 de janeiro de 2019, na conclusão da Jornada Mundial da Juventude na cidade do Panamá, foi anunciado que a escolha para a seguinte edição da Jornada Mundial da Juventude seria Lisboa, onde vai acontecer o encontro de jovens de todo o mundo com o Papa entre os dias 1 e 6 e agosto de 2023.

PR

Partilhar:
Share