Cardeal Kevin Farrell sublinha necessidade de pausa em grandes eventos internacionais, a começar pelo Encontro Mundial das Famílias

Cidade do Vaticano, 21 abr 2020 (Ecclesia) – O responsável pelo Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé), justificou hoje o adiamento do Encontro Mundial das Famílias, em Roma, e da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em Lisboa, por causa da pandemia de Covid-19.

Segundo o cardeal Kevin Farrell, é necessário assegurar o total regresso à normalidade, antes de promover grandes eventos internacionais.

“Na atual situação, é muito difícil saber como será a nossa vida depois desta pandemia”, refere o cardeal norte-americano, em entrevista ao portal ‘Vatican News’.

O membro da Cúria Romana sublinha as incertezas sobre a situação económica e de saúde pública, em 2021, o que levou ao adiamento do Encontro Mundial das Famílias em 2022 e, consequentemente, da próxima edição internacional da JMJ para 2023.

“Pensamos que seria melhor esperar um ano antes de começar estes eventos internacionais”, assinala o cardeal Farrell, para quem é possível que seja necessário esperar “dois ou três anos até ao regresso da normalidade”.

A dinâmica da Igreja Católica vai continuar a nível diocesano, com encontros de jovens e famílias.

“O confinamento que estamos a viver em muitos países de todo o mundo convida-nos a analisar os elementos essenciais e a centralidade da família”, observa o colaborador do Papa.

OC

JMJ 2023/Lisboa: Adiamento é necessário porque a preparação começa «muito antes» e a prioridade é combater a pandemia, afirma D. Manuel Clemente (c/vídeo)

 

Partilhar:
Share