«Há Pressa no Ar» vai ser «banda sonora» da primeira edição portuguesa da Jornada Mundial da Juventude

Pedro Ferreira
Foto: JMJLisboa2023

Coimbra, 28 jan 2021 (Ecclesia) – Os autores do hino oficial da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023 destacam a universalidade da música ‘Há Pressa no Ar’, divulgada esta quarta-feira e que “agora é de todo o mundo”, rumo ao encontro em Lisboa.

“Agora a música é de todo o mundo, o meu anseio é que agora esta música seja tocada por nós, mas principalmente por cada guitarra que esteja parada em casa, ou cada teclado que é preciso tirar o pó: que os grupos se voltem a reunir, comecemos online, que todos no mundo comecem a cantar o tema porque agora é de todos nós”, disse o autor da música à Agência ECCLESIA.

Pedro Ferreira, da Diocese de Coimbra, lembra que o seu “caminho pastoral está intimamente ligado com as jornadas”, tendo participado nas edições de Roma (Itália) e de Colónia (Alemanha), respetivamente em 2000 e em 2005, e, ao mesmo tempo, que viveu “as jornadas com intensidade” também as viveu “em particular artisticamente”.

“Quando compus o tema foi mesmo a pensar de como é que eu o interpretaria, de como é que, no meio de tantas pessoas ao meu lado, gostaria de festejar, gostaria de aplaudir, gostaria de repetir vezes sem conta o refrão que creio e temos fé que aconteça em todo o mundo”, assinalou.

O professor e autor da música explicou que “foi simples a forma de construção do tema”, ao piano no final de 2019, quando “as coisas começaram a surgir com uma grande naturalidade”.

 

Depois entregou a música a uns amigos, a Banda da Paróquia, da qual faz parte também, e tiveram “a feliz ideia de convidar o padre João Paulo Vaz para fazer sentido aqueles intervalos através da letra”.

“Tinha um tema ao qual me tinha de cingir, com uma ou outra indicação também que fosse algo leve, jovem, ligeiro. Lembrei-me naturalmente que seria muito importante não só pegar no tema da jornada mas fazer o caminho. É uma ideia que me agradou de início fazer o caminho desde o Panamá até Lisboa passando também pelas jornadas intermédias em cada ano”, desenvolveu o sacerdote da Diocese de Coimbra.

‘Há Pressa no Ar’ parte do tema escolhido pelo Papa Francisco para a JMJ Lisboa 2023: ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’ (Lc1,39).

Há pressa no ar, há pressa de viver bem, há pressa de viver, há pressa de viver este amor de Deus, há pressa de continuar a caminhar, não é pressa de quem tem de fazer tudo de uma vez e de repente e muitas coisas. É pressa de quem não quer ficar para trás porque há tanto mais a viver e Maria no-lo mostra”.

Padre João Paulo Vaz
Foto: JMJLisboa2023

O padre João Paulo Vaz assinala que Maria “era jovem como a maior parte daqueles que vão participar nesta Jornada Mundial da Juventude” e “saiu apressadamente, não olhou para trás, não teve medo da montanha, não teve medo do caminho”.

No contexto da pandemia e Covid-19 que está a envolver a preparação do próximo encontro internacional de jovens católicos e “a vivência da própria jornada com certeza, com todas as limitações”, o sacerdote considera que “é muito importante” os mais jovens com o “dinamismo de força e de esperança que lhes é próprio” dizerem ao mundo que vão “para a frente”.

Para o músico Pedro Ferreira, no contexto atual mundial, o hino da JMJ 20023 “pode alavancar” e a “luz ao fundo do túnel que esta música poderá trazer é necessária”.

‘Há Pressa no Ar’ para além da letra do padre João Paulo Vaz e música de Pedro Ferreira conta com os arranjos do músico Carlos Garcia.

“A canção já tinha bons ingredientes e o meu trabalho foi sobretudo do ponto de vista harmónico e do ponto de vista da escolha dos instrumentos e da criação para a função dos elementos do coro”, disse o autor dos arranjos do hino da JMJ 2023.

Em declarações à Agência ECCLESIA, Carlos Garcia referiu que tentou fazer ao longo do arranjo “uma espécie de grande crescendo” e em uma nova estrofe “aparecem novos elementos que criam essa novidade” e, “claro, o instrumento de abertura é a querida guitarra portuguesa”.

“Tive desafios, por um lado ter uma sonoridade fresca, portanto jovem, e dai o hino ter sempre uma batida em geral bastante apelativa, com bastante energia, e ter também a sonoridade mais portuguesa e quis convocar alguns dos nossos cordofones tradicionais”, acrescentou.

Carlos Garcia

Carlos Garcia Foto: JMJLisboa2023

Carlos Garcia contou também que ficou “bastante entusiasmado” com a proposta de fazer os arranjos do hino, “porque é uma grande responsabilidade” e a música “vai pertencer a todos, por isso é muito especial”.

Para Pedro Ferreira ter sua música como hino da JMJ 2023  “é uma felicidade do tamanho do mundo”, e um “testemunho a todos que se sentam em instrumentos musicais ou através das outras formas de arte sentem que conseguem tocar o outro”

“Ter este hino e esta letra como hino da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa faz-me pensar que Deus está presente em mim, em todos aqueles que intervieram neste processo, e em cada jovem que a vai cantar”, refere, por sua vez, o padre João Paulo Vaz.

HM/CB/OC

O tema ‘Há Pressa no Ar’ foi gravado em português e numa versão internacional, com cinco idiomas (português, inglês, espanhol, francês e italiano).

A canção foi escolhida em concurso nacional, aberto à participação de portugueses maiores de idade. O Comité Organizador Local (COL) recebeu mais de uma centena de candidaturas, que foram analisadas por um júri composto por profissionais das áreas da música e das artes.

A escolha de Lisboa como primeira cidade portuguesa a acolher uma edição internacional da JMJ aconteceu há dois anos, no dia 27 de janeiro de 2019, no Panamá.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

 

JMJ 2023: Jornada de Lisboa lança hino oficial, «Há Pressa no Ar» (c/vídeo e áudio)

Partilhar:
Share