«São momentos especiais, não só de conhecimento e enriquecimento mútuos, mas também gde partilha do que somos e do que fazemos», salientou o padre Norberto Brum, da Diocese de Angra

Ermesinde, 03 nov 2022 (Ecclesia) – A equipa nacional dos ‘Dias nas Dioceses’ e os Comités Organizadores Diocesanos (COD) que vão acolher a semana que antecede a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 realizaram um encontro de reflexão, preparação e partilha, no Seminário do Bom Pastor, em Ermesinde.

“Estes encontros são momentos especiais, não só de conhecimento e enriquecimento mútuos, mas também de partilha do que somos e do que fazemos, partilha de preocupações, esperanças e alegrias, espaços onde podemos aprender uns com os outros e com as experiências e caminhos já trilhados pelos outros”, disse hoje o coordenador do COD de Angra, em declarações à Agência ECCLESIA.

O padre Norberto Brum salienta que estes encontros dos ‘Dias nas Dioceses’ (DND) permitem “saber uns dos outros”.

“Este é um caminho comum, de todos, com todos e para todos, daí que estes encontros não são apenas necessários como indispensáveis. Não poderia ser de outra forma; a sinodalidade que tanto fala o Papa passa por aqui, por estes encontros”, acrescentou o sacerdote que é também o diretor do Serviço Diocesano da Pastoral Juvenil de Angra e responsável pela Pastoral Universitária.

Segundo o padre Filipe Diniz, responsável nacional pelos DND e diretor do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil (DNPJ), os encontros têm tido a particularidade de reunir fisicamente ou online as equipas das várias áreas desta semana – coordenação, programação, inscrições/alojamento e comunicação – de três em três meses, onde as equipas se vão conhecendo e reafirmam a “vontade de caminhar juntos, de forma sinodal.

“Valorizamos neste encontro olharmos para o que vai ser a consistência destes dias: Olhamos a dinâmica pastoral de um programa que pretendemos oferecer aos grupos de peregrinos que querem estes DND. Reunimos a área da coordenação e da programação na mesma sala onde procuramos olhar de uma forma muito clara aquilo que desde o início propusemos como pilares/orientações para estes dias: Acolhimento, cultura, descoberta, missão e envio”, desenvolveu o sacerdote de Coimbra.

Desde o primeiro momento que queremos e valorizamos este acompanhamento juntos das equipas, para preparamos juntos, da melhor forma, com toda a liberdade e toda a autenticidade, os Dias nas Dioceses, que tanto queremos viver mas também sempre com um olhar direcionado para a Jornada Mundial da Juventude”.

Para a reunião realizada no Seminário do Bom Pastor (Ermesinde), na Diocese do Porto, a 29 de outubro, os responsáveis convidaram o padre Nuno Amador (Patriarcado de Lisboa), responsável pela Direção Pastoral da JMJ Lisboa 2023, para os “enriquecer numa perspetiva sinodal” a partir de três documentos do Papa Francisco, a Exortação Apostólica ‘Cristo Vive’, e as encíclicas ‘Laudato Si’ e ‘Fratelli Tutti’.

D. Armando Esteves, bispo auxiliar do Porto e membro da Comissão Episcopal Laicado e Família da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), presidiu ao início dos trabalhos e destacou que era “bom ver o entusiasmo, a alegria, espontaneidade” dos participantes.

De 26 a 31 de julho de 2023, os ‘Dias nas Dioceses’ vão dar a conhecer a realidade eclesial e comunitária em 17 Igrejas locais, antes da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa: Algarve, Angra, Aveiro, Beja, Braga, Bragança-Miranda, Coimbra, Évora, Funchal, Guarda, Lamego, Leiria-Fátima, Portalegre-Castelo Branco, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

Para o padre José Domingos Meira, coordenador do COD de Viana do Castelo, as reuniões e trabalho realizado entre as dioceses “tem sido importante para ajudar neste longo caminho de preparação”, mas considera que “tem faltado da parte da Igreja Portuguesa (Conferência Episcopal) decisões conjuntas” para terem “um projeto mais concertado e eficaz”.

O responsável adiantou que no Alto Minho estão a preparar “as equipas, as comunidades e entidades” que os ajudem e se envolvam no acolhimento e em toda a logística que vão precisar para os ‘Dias nas Dioceses’.

Segundo o padre José Domingos Meira têm recebido o contacto de” muitos grupos de dioceses de diferentes países”, adiantando que a procura mais numerosa é por parte de dioceses francesas.

“Até ao momento, já temos mais de dois mil jovens de diferentes dioceses a preverem ser acolhidos na nossa diocese”, acrescentou.

Já o coordenador do Comité Organizador Diocesano de Angra disse que a abertura das inscrições da JMJ Lisboa 2023, no dia 23 de outubro pelo Papa Francisco, não provocou um aumento de contactos para participarem nos ‘Dias nas Dioceses’, mas verificaram que alguns grupos “procuram agora mais informações e pormenores”.

O padre Norberto Brum salienta que “há bastante tempo” que são contactados por diversos grupos e de diferentes países que manifestam “o desejo de viverem os Dias nas Dioceses nos Açores”, já tiveram uma reunião presencial com um dos responsáveis da Pastoral Juvenil de Espanha.

“Já fomos contactados por mais de 40 grupos, envolvendo um total de mais de 1000 jovens; Temos tido contatos de grupos particularmente de Espanha, Estados Unidos, França, Brasil, México, Chile, Canadá, Áustria, Paquistão, entre outros, mas o maior número é da Espanha”, indica.

Os DND em Angra vão ser vividos nas Ouvidorias (conjunto de paróquias) das duas ilhas mais populosas, “São Miguel e Terceira, contando acolher em ambas entre os 700 e 800 jovens”.

O padre Norberto Brum lembra que a geografia da diocese açoriana “é um constante e permanente desafio” e o mar, fator de dispersão e separação, também deve ser visto “como fator de unidade”, e há um “entusiasmo crescente” e a preocupação de oferecer aos jovens que os visitem “o melhor das ilhas e das gentes”, que desfrutem da beleza e da grandeza “da alma açoriana”, num “verdadeira cultura de fraternidade, paz, alegria e familiaridade”.

CB/OC

A Diocese de Viana do Castelo vai receber a peregrinação dos dois símbolos da JMJ – a cruz dos jovens e o ícone de Nossa Senhora – no mês de janeiro de 2023, que “irão percorrer todos os arciprestados”, do Ordinariato Castrense, no dia 29 de dezembro.

“Estamos a preparar o acolhimento dos símbolos na tarde do dia 29 de dezembro com as imagens de Nossa Senhora da Agonia e de São Bartolomeu dos Mártires (patrono da JMJ) nas embarcações dos pescadores, ao jeito da procissão ao mar da festa da Senhora da Agonia”, desenvolveu o padre José Domingos Meira.

Segundo o coordenador do Comité Organizador Diocesano para a Jornada Mundial da Juventude a expetativa para esta peregrinação é que sejam “dias de mobilização e sensibilização para uma maior envolvência” neste caminho da JMJ; a celebração final é uma peregrinação até à Sé, na tarde de 29 de janeiro de 2023.

Partilhar:
Share