Iniciativa assinala contagem decrescente para encontro mundial promovido pela Igreja Católica

 

Lisboa, 13 jan 2023 (Ecclesia) – A Câmara Municipal de Lisboa lançou hoje uma campanha que assinala os 200 dias para o início da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023, convidando as famílias a receber os jovens peregrinos.

“Lisboa vai estar de braços abertos, vai receber e acolher jovens de todo o mundo. É o espírito da nossa cidade, é a nossa energia”, refere Carlos Moedas, presidente da autarquia.

A campanha ‘Lisboa Acolhe’ visa apelar que a capital portuguesa “esteja de braços abertos para receber e alojar os jovens” que vão chegar à cidade “em grande número”, na iniciativa promovida pela Igreja Católica, de 1 a 6 de agosto.

“Ao longo de uma semana os jovens vão ser acolhidos, na sua maioria, em instalações públicas (escolas, pavilhões, ginásios…) e paroquiais ou em casas de famílias”, assinala uma nota enviada hoje à Agência ECCLESIA.

Filipe Anacoreta Correia, vice-presidente da Câmara Municipal, fala da JMJ como “o maior evento de que há memória em Portugal” e uma “grande oportunidade” para o país.

“Estamos a trabalhar muito para que, aquilo que depende de nós, corra bem”, acrescenta.

O presidente, o vice-presidente e vereadores da Câmara anunciaram publicamente que também serão famílias de acolhimento de peregrinos.

No vídeo de divulgação da campanha, a autarquia apresenta Lisboa como uma cidade “com séculos de história, moderna e que respira hospitalidade”.

No final de 2022, a organização da JMJ Lisboa 2023 anunciou a abertura das inscrições para as famílias que pretendam receber peregrinos durante o encontro.

‘Deixe a Jornada Mundial da Juventude entrar em sua casa’ é o mote da campanha para as famílias de acolhimento, nas dioceses de Lisboa, Santarém e Setúbal.

“O Comité Organizador Local irá alocar os grupos de peregrinos às paróquias destas Dioceses que se inscreveram para receber peregrinos e, posteriormente, cada paróquia fará a distribuição dos peregrinos pelas famílias, considerando a proximidade que tem com a comunidade em que se insere”, refere uma nota divulgada online.

Foto: Agência ECCLESIA/OC

A organização realça que o acolhimento de peregrinos é “uma forma de participar na Jornada Mundial da Juventude, recebendo a Cristo em casa e ajudando os jovens a terem a melhor experiência possível na sua vivência ao longo da semana da Jornada”.

A inscrição das famílias deve ser feita nas respetivas Paróquias, de acordo com o local de residência; cada família tem de acolher um mínimo de 2 peregrinos por família/casa.

“Não é necessário saber falar o idioma dos peregrinos que acolhem. O mais relevante é que a família tenha a disponibilidade de acolher os peregrinos com generosidade e de forma calorosa, contribuindo para tornar a sua experiência memorável”, adianta o Comité Organizador Local.

A JMJ Lisboa 2023 é dedicada aos peregrinos de todo o mundo com idades compreendidas entre os 14 e 30 anos de idade, sendo permitido que peregrinos de outras idades se inscrevam; os participantes com idade inferior a 18 anos têm obrigatoriamente de estar integrados num grupo e o seu cuidado é confiado a um adulto do grupo, com a devida autorização dos pais ou responsável legal.

As edições internacionais da JMJ são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A participação na JMJ 2023 é gratuita, pelo que qualquer pessoa pode assistir à Missa de abertura, cerimónia de boas-vindas ao Papa, Via Sacra de sexta-feira, vigília noturna de dia 6 e Missa de envio de 6 de agosto, mas existirão zonas específicas para os inscritos.

Todas as formas de inscrição incluem seguros de acidente, transportes públicos durante a semana da JMJ, “kit do Peregrino”, entrada gratuita nas atividades culturais do Festival da Juventude e acesso prioritário às zonas reservadas para os inscritos, além das opções de alojamento e alimentação que forem selecionadas.

OC

A JMJ nasceu por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude, e desde então tem-se evidenciado como um momento de encontro e partilha para milhões de pessoas por todo o mundo.

A primeira edição aconteceu em 1986, em Roma, tendo passado pelas seguintes cidades: Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

A próxima edição internacional vai decorrer na capital portuguesa de 1 a 6 de agosto de 2023, após ter sido adiada um ano, por causa da pandemia de Covid-19.

 

 

Partilhar:
Share