D. Francisco Senra Coelho proclamou Santuário de Vila Viçosa como Santuário da JMJ na arquidiocese alentejana

Foto: Santuário de Vila Viçosa

Vila Viçosa, 08 dez 2022 (Ecclesia) – O arcebispo de Évora presidiu hoje à Missa da solenidade da Imaculada Conceição, no Santuário de Vila Viçosa, evocando a ligação histórica desta celebração à “identidade nacional”.

“Em Portugal, a devoção popular à Nossa Senhora da Conceição é bastante antiga e interligada com a história desta pátria, sobretudo com os grandes acontecimentos decisivos para a independência e da identidade nacional”, referiu, na homilia da celebração, com transmissão online.

O dogma da Imaculada Conceição de Maria foi proclamado a 8 de dezembro de 1854, através da bula ‘Ineffabilis Deus’, a qual declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, sendo preservada do pecado original.

D. Francisco Senra Coelho apresentou Vila Viçosa como “precursora neste caminho”, sublinhando a centralidade da “aliança”, na história deste santuário.

“Aliança com a vida, inegociável, vida sagrada da pessoa humana, desde o seu primeiro instante até à sua morte nacional”, declarou.

A ligação entre Portugal e a Imaculada Conceição ganhou destaque em 1385, quando as tropas comandadas por D. Nuno Alvares Pereira derrotaram o exército castelhano e os seus aliados, na batalha de Aljubarrota.

Em honra a esta vitória, o Santo Condestável fundou a igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa, e fez consagrar aquele templo a Nossa Senhora da Conceição.

O arcebispo de Évora recordou que, após a coroação de D. João IV como rei de Portugal, a 15 de dezembro de 1640, declarou Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa como Rainha e Padroeira de Portugal, durante as cortes de 1646, provisão régia confirmada em 1671, pelo Papa Clemente X.

“A festa litúrgica de hoje celebra uma das maravilhas da história da salvação”, assinalou D. Francisco Senra Coelho.

O responsável apontou a uma “plenitude de santidade”, que deve ser a meta de vida de todos os católicos.

“Esta solenidade é um estímulo e a certeza de uma esperança, de nos tornarmos como Maria”, prosseguiu, apelando à construção de um mundo “solidário e fraterno”.

O arcebispo de Évora declarou, no início da Eucaristia, Solenidade da Imaculada Conceição, o Santuário da padroeira de Portugal como “Santuário da Jornada Mundial da Juventude” (JMJ) no território alentejano.

O anúncio foi saudado com uma salva de palmas, pelos presentes.

D. Francisco Senra Coelho acompanhou o anúncio com uma reflexão sobre o tema do encontro de 2023, em Lisboa, ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’, uma passagem do Evangelho segundo São Lucas, relativamente à visita da mãe de Jesus a Santa Isabel, sua prima, na gravidez de ambas.

Desde 1646, a Senhora da Conceição é a padroeira de Portugal, quando D. João IV ofereceu a coroa real à imagem venerada no Santuário de Vila Viçosa.

De tarde, pelas 15h00, tem início a procissão em honra de Nossa Senhora da Conceição pelas ruas da localidade.

LFS/OC

 

Imaculada Conceição: Solenidade católica liga-se à história de Portugal

Partilhar:
Share