Cáritas Portuguesa também participa neste apelo e está a apoiar a população vítima da guerra

Lisboa, 24 ago 2022 (Ecclesia) – A rede internacional Cáritas, através da Confederação Caritas Internationalis, lança hoje um “novo apelo à paz” na Ucrânia, chamando a atenção para o “alto custo desta guerra em termos de vidas humanas”, nos seis meses deste conflito.

“Precisamos de paz imediata que dê aos ucranianos a possibilidade de dar início à reconstrução das suas vidas e do seu país – um processo que, infelizmente, levará vários anos”, disse o secretário-geral da Caritas Internationalis, num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA.

Esta quarta-feira, 24 de agosto, assinalam-se seis meses desde o início da guerra na Ucrânia, após a invasão russa, e Aloysius John assinala que o “conflito continua a prolongar-se no tempo”, e, infelizmente, “a vontade política para acabar incondicionalmente com a violência continua a faltar”.

Neste apelo à paz, a rede internacional Cáritas, chama a atenção para o “alto custo desta guerra em termos de vidas humanas e as pesadas consequências a nível local, como global”.

“Com a insegurança alimentar a aumentar drasticamente e os preços dos bens essenciais continuam a aumentar. Como sempre, são os mais pobres e os mais vulneráveis ​​que estão a pagar o preço mais alto”, exemplificou o secretário-geral da Caritas Internationalis.

A Cáritas Ucrânia e Cáritas Spes-Ucrânia, as duas organizações da Cáritas no país, estão a prestar ajuda humanitária à população e chegaram a “mais de 3,5 milhões de pessoas”.

Desde 24 de fevereiro deste ano, foram distribuídas “mais de 2,8 milhões refeições e embalagens de alimentos”, e mais de 900 mil kits de higiene, cerca de 300 mil pessoas foram ajudadas a encontrar abrigo e cerca de 100 mil “receberam medicamentos e assistência médica”.

Foram assegurados serviços de apoio psicossocial e assistência jurídica, em muitos centros da Cáritas, “também foram criados espaços infantis e programas educativos”, e as organizações da Cáritas nos países vizinhos – Polónia, Bulgária, Roménia, Moldávia, Eslováquia e Hungria – também acolhem e prestam assistência aos refugiados.

Foto: Caritas Ucrânia

A Cáritas Portuguesa também participa no apoio à população vítima da guerra na Ucrânia e “angariou um total de 603 950 €”, numa campanha realizada em março e em outras iniciativas até final do mês de abril.

“A verba angariada está a ser aplicada na resposta a três necessidades identificadas desde o início da invasão da Ucrânia: Apoio à população na Ucrânia; apoio aos deslocados e refugiados nos países de fronteira; resposta às vítimas da guerra acolhidas em Portugal”, explica a organização no comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

Até ao final deste ano, a Cáritas Portuguesa “assumiu o compromisso” de contribuir com uma verba de 300 mil euros, um valor que reforça uma “estimativa de necessidades”, prevista pela Caritas Internationalis, de financiamento “no valor de 50 milhões de euros até ao início de 2023”.

A Cáritas Portuguesa comprometeu-se ainda com a disponibilização de 100 mil euros a nível nacional, a partir do valor angariado na campanha ‘Cáritas Ajuda Ucrânia’, que está a ser aplicado através do programa nacional ‘Vamos Inverter a Curva da Pobreza em Portugal’, reforçando a ação local da rede desta organização, 20 Cáritas Diocesanas envolvidas “na resposta direta a situações de novas necessidades resultantes do acolhimento de famílias ucranianas”.

CB

Partilhar:
Share