Colaborador do Papa orienta semana de atualização do clero, leigos e consagrados na Diocese do Funchal

Funchal, Madeira, 25 Jan 2022 (Ecclesia) – O presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização (Santa Sé) afirmou que a pandemia é uma “grande provocação”.

“O vírus que criou a pandemia é uma grande provocação que chega também aos crentes, não só individualmente, mas também à comunidade cristã” disse D. Rino Fisichella, em entrevista ao ‘Jornal da Madeira’, publicação da Diocese do Funchal.

“Descobrimos que a segurança e a confiança que temos na ciência precisam de ser redimensionadas, pois até a ciência, num primeiro momento, se viu desorientada”, acrescentou.

D. Rino Fisichella manifestou a sua “plena convicção” de que a atual situação mundial leva a uma redescoberta da “própria natureza”, porque “o homem não foi feito para viver isolado, para viver fechado na sua própria casa”.

“A pandemia, mesmo na sua gravidade, não nos deve impedir de viver em profundidade a nossa humanidade”, referiu.

O arcebispo italiano, escolhido pelo Papa Francisco para preparar o Jubileu de 2025, orienta entre hoje e quinta-feira a semana de atualização do clero, leigos e consagrados da Igreja Católica no arquipélago.

Em relação ao tema da semana, ‘Por uma Igreja sinodal. Comunhão, participação e missão’, D. Rino Fisichella realçou que “toda a Igreja está neste caminho para compreender cada vez mais o grande valor que a dimensão sinodal possui para a vida da Igreja”.

“Uma Igreja sinodal é uma Igreja em caminho, não é uma Igreja parada, estática; é antes uma Igreja que, como os discípulos de Emaús, sabe para onde vai”, acrescentou o colaborador do Papa.

Para o presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização (Santa Sé), “sem silêncio não há escuta verdadeira”.

LFS/OC

Partilhar:
Share