História da preparação de uma Missa Nova no Patriarcado de Lisboa, desde os ensaios às flores, à limpeza e à oração

Foto Patriarcado de Lisboa, Ordenações Sacerdotais, julho de 2018

Lisboa, 19 jul 2018 (Ecclesia) – A Missa Nova do padre João Quintas, ordenado sacerdote no Patriarcado de Lisboa no dia 1 de julho, envolveu toda a comunidade da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Queluz, sendo um momento de testemunho e evangelização.

“O sacerdote não é um senhor que chega de longe mas nasce no meio da comunidade. Há muitas razões para nos alegrarmos e é uma bênção para a família”, disse à Agência ECCLESIA o padre Thomaz Fernandez, pároco nesta comunidade “viva e participativa”.

Sacerdote há cinco anos, responsável pela paróquia de Queluz há quase três anos, o padre Thomaz Fernandez sublinha a proximidade da comunidade em torno da vocação do padre João e da consequente preparação para a sua Missa Nova.

“A quantidade de pessoas que rezam pelas vocações e pelas nossas! Há dias falava com uma senhora que me dizia que reza diariamente pelos seminaristas e em especial pelo João. E não foi a primeira que me referiu isso”, sustenta.

“É um momento muito forte para a vida da paróquia, motivo e sinal para novas vocações”, acrescenta o responsável pela comunidade paroquial.

Há vários meses que a preparação para a Missa Nova, que aconteceu a 8 de julho, envolveu a comunidade numa celebração à volta de diferentes mesas, a mais importante, a mesa eucarística cujos cânticos estiveram a cargo do professor de Educação Moral e Religiosa Católica, o regente Miguel Serra.

“Esta responsabilidade tem as duas vertentes: ou dá certo e é ótimo, ou dá para o torto e a culpa é do regente”, brinca Miguel Serra, que não esconde o desafio de juntar diferentes vozes, de distintas proveniências, a uma pequena orquestra.

Um órgão, dois trombones, três clarinetes, três flautas transversais, dois trompetes e um violino fizeram a harmonia do coro que nos últimos meses se desdobrou em vários ensaios.

“Juntam-se ao coro pessoas de Queluz, do coro da Portela, paróquia onde o padre João fez trabalho pastoral, também do coro de Monte Abraão e da banda filarmónica de Massamá”, ajudando a “embelezar”.

Os cânticos foram escolhidos pelo novo sacerdote com algumas sugestões de Miguel Serra, simbolizado a caminhada do padre João Quintas mas associando a “gratidão pelo chamamento que a Igreja faz a este homem, ordenando-o como sacerdote”.

A preparação da Missa Nova congregou diferentes dons das pessoas “que querem dar o seu melhor para um padre novo que é da terra, que é o amigo João que tantas vezes o viram a rezar na Igreja; por isso alguns dão a voz, outros a disponibilidade para fazer limpezas, porque nesse dia a paróquia de Queluz é anfitriã, é uma festa da Igreja para todos os que vêm”.

Maria Fernanda Quintas reside na paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Queluz desde 1986, local onde os seus filhos cresceram e fizeram o seu percurso de formação na fé, habituados também a ver a mãe como catequista e presidente da Comissão de Festas na comunidade.

“Quando ele me deu essa notícia (que iria entrar no Seminário) fiquei em choque: não contava, não estava à espera, nunca pensei que na minha família alguém se preparasse para a vida sacerdotal”, conta a mãe emocionada que não dispensou fazer o enxoval ao filho.

“À entrada do seminário encontrei a família que me deu forças para continuar e a quem estou agradecida. Ele entrou num mundo onde é feliz”, conta emocionada Fernanda Quintas.

Toda a preparação da festa da Missa Nova de João Quintas passou pelas mãos da sua mãe, enquanto responsável pela Comissão de Festas da paróquia, que organizaram, entre outros pormenores, a produção de flores amarelas, azuis e brancas feitas a partir de 30 quilos de plástico.

A reportagem sobre a preparação da Missa Nova do padre João Quintas na paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Queluz, no Patriarcado de Lisboa, que aconteceu no dia 8, foi emitida no programa Ecclesia, na Antena 1.

LS

Missa Nova na paróquia de Queluz – Emissão 15-07-2018

 

Partilhar:
Share