Só em 2019 o contingente português que integra missão da FRONTEX já prestou auxílio a 1600 pessoas em busca de uma entrada na Europa

Foto GNR (arquivo)

Lisboa, 21 ago 2019 (Ecclesia) – A Unidade de Controlo Costeiro (UCC) da Guarda Nacional Republicana, que se encontra destacada na ilha de Samos-Grécia, resgatou hoje 39 migrantes no Mar Egeu.

De acordo com um comunicado enviado esta quarta-feira à Agência ECCLESIA, os militares da GNR que integram a missão da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (FRONTEX) detetaram os migrantes em causa “durante uma ação de patrulhamento junto a Agathonisi, uma pequena ilha próxima de Samos”.

“Os militares que se encontravam na embarcação da GNR receberam um alerta para uma situação de busca e salvamento (…) De imediato, dirigiram-se para o local, tendo detetado uma embarcação de borracha, com cerca de 8 metros, na qual seguiam 39 migrantes a bordo, dos quais 16 crianças, destas, duas eram bebés de colo, oito mulheres e 15 homens”, pode ler-se.

Durante as operações de salvamento e resgate, foi dada “prioridade para as crianças, tendo sido ainda prestado apoio na distribuição de águas e produtos alimentares, dado que os migrantes apresentavam sinais visíveis de desidratação”.

Depois “os migrantes foram colocados na embarcação da GNR e transportados em segurança para o Porto de Agathonisi, onde foram entregues às autoridades helénicas”.

O mesmo comunicado refere que, no âmbito da missão da Frontex, e só no presente ano de 2019, a GNR efetuou até ao momento 577 patrulhas, o que corresponde a mais de 4 000 horas de empenhamento, tendo detetado 197 embarcações e auxiliado cerca de 1600 migrantes”.

“Com a finalidade de prevenir, detetar e reprimir ilícitos relacionados com a imigração ilegal, tráfico de seres humanos e outros crimes transfronteiriços, a GNR contribui, a par da Polícia Marítima, para o empenhamento de Portugal na salvaguarda de vidas humanas no mar Egeu”, frisa a mesma fonte.

JCP

Partilhar:
Share