Responsáveis evocam vítimas da pandemia, em Portugal e no Brasil

Fátima, 12 out 2021 (Ecclesia) – O cardeal D. António Marto disse hoje que o Santuário de Fátima está a viver um “novo ciclo, marcado pela esperança”, apresentando a peregrinação do 13 de outubro, que se inicia esta noite.

Na primeira grande celebração internacional após o início da nova etapa de desconfinamento, o bispo de Leiria-Fátima falou de uma nova normalidade que convoca todos “à responsabilidade e ao cuidado”, superando as limitações impostas durante meses pela pandemia de Covid-19

Foto: Lusa

“Foram tempos difíceis”, admitiu o responsável católico, que apontou a consequências ainda por determinar, do ponto de vista económico e social.

“Um dos ensinamentos desta pandemia foi a cultura do cuidado, de cuidarmos uns dos outros”, acrescentou.

Fica uma palavra de muita gratidão a todos quantos salvaram vidas e permitiram que os doentes, os idosos, os que perderam empregos e ficaram sem meios de subsistência continuassem vivos”.

D. António Marto evocou de forma particular os que se sacrificam para ajudar os que mais precisaram e ainda precisam desse apoio.

“Queremos também nesta peregrinação todos os que morreram de Covid-19 e os seus familiares em luto”, apontou.

O cardeal português falou de um “novo colorido no Santuário”, deixando uma mensagem de esperança.

“Estamos longe de outros tempos, mas perto de uma nova realidade”, precisou.

Em conferência de imprensa, D. António Marto projetou a presença de milhares de jovens, na Cova da Iria, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude que vai decorrer em Lisboa, de 1 a 6 de agosto de 2023.

“Estaremos cá para acolher todos, com a nossa hospitalidade”, declarou.

Para o bispo de Leiria-Fátima, o Santuário nacional “será um polo aglutinador dos jovens”, esperando que muitos se desloquem à Cova da Iria, onde espera a presença do Papa Francisco.

“Tudo faremos para que ele regresse a esta casa, peregrino da paz e na esperança de uma humanidade melhor”, acrescentou.

Já o padre Carlos Cabecinhas assumiu que a instituição tem dois anos para preparar uma “grande festa”.

“Em 2023, Fátima estará pronta para receber o Santo Padre”, referiu.

O sacerdote falou numa nova etapa, que encara “com esperança e otimismo”, depois de um ano “ainda profundamente marcado pela pandemia”.

Entre janeiro e setembro, passaram pela Cova da Iria mais de 1,3 milhões de peregrinos – ainda longe dos habituais 6 milhões, mas já com “sinais positivos”.

A peregrinação internacional aniversária de outubro é presidida pelo arcebispo de Salvador da Bahia, cardeal Sérgio da Rocha, que se apresentou aos jornalistas como “peregrino entre peregrinos” num tempo “desafiador”, marcado pela Covid-19.

Foto: Lusa

O primaz do Brasil manifestou a intenção de trazer as “preces” dos que “continuam a sofre com a pandemia”, especialmente os doentes, os mais pobres e as famílias em luto.

Questionando sobre os mais de 600 mil mortos no seu país, D. Sérgio da Rocha evocou “o clamor dos que mais sofrem no Brasil”, pedindo um esforço “redobrado” dos responsáveis políticos.

PR/OC

Partilhar:
Share