Documento sobre «virtudes heroicas» foi entregue ao responsável pelo Dicastério para as Causas dos Santos

Fátima, 13 out 2022 (Ecclesia) – O processo de beatificação e canonização da Irmã Lúcia, vidente de Fátima, conheceu hoje um novo desenvolvimento, com a entrega, no Vaticano, do documento sobre as “virtudes heroicas” da religiosa.

A informação avançada pelo Santuário de Fátima foi confirmada pela Agência ECCLESIA, junto da irmã Ângela Coelho, vice-postuladora, tendo sida partilhada aos peregrinos no final da Missa do 13 de outubro, pelo reitor da instituição, padre Carlos Cabecinhas, que falou num “motivo de alegria”.

O anúncio foi saudado pelos peregrinos com uma salva de palmas.

O reitor do Santuário de Fátima pediu que orações por esta causa de canonização: “Confiemos à sua intercessão as nossas intenções e necessidades, com a mesma confiança com que os peregrinos de há 100 anos lhe apresentavam os seus pedidos”.

No ato de entrega da ‘Positio Super Vita, Virtutibus et Fama Sanctitatis’ (sobre a vida, virtudes e fama de santidade), em Roma, estiveram presentes o prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro; o postulador geral da causa de canonização, padre Marco Chiesa; a vice-postuladora, irmã Ângela de Fátima Coelho; o relator, monsenhor Maurizio Tagliaferri; e a irmã Filipa Pereira, colaboradora da causa.

Este volume contém a biografia da Irmã Lúcia, feita a partir dos documentos recolhidos na fase diocesana do processo (que decorreu na Diocese de Coimbra entre 2008-2017); a ‘Informatio’ (informação), que descreve as virtudes vividas pela religiosa, bem como o elenco dos depoimentos das testemunhas, o seu Diário e outros documentos inéditos, “considerados relevantes no processo”.

“A entrega da ‘Positio’ é um momento importante no processo de beatificação e canonização da serva de Deus, na sua fase romana”, adianta o Santuário de Fátima.

O reitor da instituição destaca a importância do novo passo neste processo “tão desejado por Fátima e pelos seus peregrinos”.

“Que os peregrinos de Nossa Senhora de Fátima se deixem iluminar pelo seu exemplo de fidelidade à vontade de Deus, confiando na sua intercessão, tal como o fizeram desde o início das aparições”, afirma o padre Carlos Cabecinhas.

Foto: Santuário de Fátima

Este documento vai ser analisado por um conjunto de nove teólogos que emitirão o seu parecer, para determinar se “praticou as virtudes em grau heroico”.

O parecer positivo do Dicastério para as Causas dos Santos é apresentado ao Papa, que aprova a publicação do respetivo decreto, passando o fiel em causa a ser designado como venerável, para as etapas de beatificação e canonização é necessária a aprovação de um milagre atribuído à intercessão do venerável ou beato, respetivamente.

A fase diocesana do processo de beatificação e canonização da Irmã Lúcia de Jesus (1907-2005), uma das três videntes de Fátima, chegou ao fim a 13 de fevereiro de 2017, na igreja do Carmelo de Coimbra.

O processo implicou a análise de milhares de cartas e textos, além da auscultação de 61 testemunhas.

Lúcia Rosa dos Santos, a Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado, faleceu a 13 de fevereiro de 2005, aos 97 anos de idade, depois várias décadas vividas em clausura no Carmelo de Coimbra.

Este processo teve início em 2008, três anos após a sua morte, tendo na altura o agora Papa emérito Bento XVI dispensado o período de espera de cinco anos determinado pelo Direito Canónico.

Francisco e Jacinta Marto, os outros dois videntes de Fátima, foram canonizados pelo Papa Francisco, na Cova da Iria, a 13 de maio de 2017.

SN/OC

Notícia atualizada às 12h27

 

 

Partilhar:
Share