Estão a ser produzidas duas versões em madeira e uma em plástico reciclado

Fátima, 22 abr 2021 (Ecclesia) – Francisco Pereira aprendeu a fazer terços com a mãe, há 40 anos, que só o deixava brincar após ter estudado e feito “uma quantidade de terços”, e agora ensina segredos para a produção do Terço JMJ Lisboa 2023.

“Vinha da escola, tinha de ‘fazer os deveres’ e só depois de fazer uma quantidade de terços é que podia ir brincar com os meus colegas”, recorda o sócio da ‘Farup’, empresa que está a produzir os terços com a marca JMJ Lisboa 2023.

Quatro décadas depois e após ocupações profissionais, Francisco Pereira voltou a fazer terços, para produzir as versões da próxima Jornada Mundial da Juventude, duas em madeira e uma em plástico reciclado.

A utilização de materiais reciclados e trabalho artesanal marcam a produção dos terços da JMJ Lisboa 2023, com o objetivo de “reaproveitar os materiais que existem”.

Francisco Pereira diz que demora cerca de 10 minutos a fazer um terço, porque tem “experiência” e ensina a outros colaboradores da empresa os “segredos” que ajudam à montagem das várias peças que fazem um terço.

“É segredo e não é segredo. É como todos os trabalhos: apanhar o jeito, ter um bocadinho de habilidade para as coisas manuais e consegue-se”, afirma Francisco Pereira.

Na apresentação do terço, o Gabinete de Comunicação da próxima Jornada Mundial da Juventude valorizou a presença da “identidade gráfica da jornada”, nomeadamente pela “cruz da JMJ LISBOA 2023 e pelo passador com o tema da JMJ” e, nas cinco contas do Pai-Nosso, a referência “JMJ Lisboa 2023”, impressa nos idiomas oficiais.

A criação do terço é da responsabilidade área da marca e merchandising do Gabinete de Comunicação da JMJ Lisboa 2023, coordenado por Jorge Almeida, que destaca o “fácil uso” e “forte propósito de inclusão e o da sustentabilidade”.

“A oração, neste caso a oração do Terço, é uma das caraterísticas universais da Jornada Mundial da Juventude. Pretendemos, por isso, que a peça fosse de fácil uso, manuseamento, e de grande simplicidade. Destacamos também o forte propósito de inclusão e o da sustentabilidade”, afirmou.

Na embalagem do terço, feitas de cartão reciclado e utilizando linguagem inclusiva, nomeadamente braile e pictogramas, são publicadas meditações para os mistérios do Rosário, com um texto introdutório de D. Manuel Clemente.

Para D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, “num país marcadamente de tradição mariana como Portugal, o terço não poderia deixar de ser um dos elementos identificadores da JMJ, a par do logotipo e hino oficiais”.

O terço da JMJ Lisboa 2023 está disponível desde o dia 15 de abril e é também possível adquirir as várias versões através dos Comités Organizadores Diocesanos.

O primeiro momento de oração está agendado para 1 de maio, online, com a participação dos jovens das dioceses portuguesas; também no mês de maio estará disponível, no sítio da internet da JMJ Lisboa 2023, a versão áudio e em Língua Gestual Portuguesa das meditações propostas.

PR

Partilhar:
Share