Paula Pereira, maestrina e cantora no santuário de Fátima, contou ao programa ECCLESIA que no primeiro confinamento fazia quatro celebrações diárias de forma angustiante mas sabia “estava a ajudar muita gente a rezar”.

Uma perspetiva de quem sentiu o santuário vazio de peregrinos, algo “absolutamente indiscritível”.

Partilhar:
Share