Media: Exposição assinala 120 anos do Jornal «A GUARDA»

Foto – Diocese da Guarda

Guarda, 15 mai 2024 (Ecclesia) – A exposição “Jornais Centenários do Brasil e de Portugal: Um Legado Cultural” vai estar patente no Espaço ExpoEcclesia, na Guarda, e reúne 55 jornais, entre os quais o Jornal «A GUARDA», “um dos poucos jornais centenários de língua portuguesa e o mais antigo da região”.

Os jornais centenários portugueses e brasileiros vão poder ser apreciados na Guarda, a partir desta quarta-feira, 15 de maio, no âmbito das comemorações dos 120 anos do Jornal «A GUARDA».

A mostra, que já passou por várias cidades do país, reúne 55 jornais, tanto portugueses como brasileiros, publicados continuamente há mais de 100 anos.

É uma viagem no tempo pelos principais acontecimentos (crises, guerras e descobertas) que tiveram lugar dos dois lados do atlântico, uma iniciativa que reúne cerca de “dois séculos de história”.

Na exposição da Guarda, estará em destaque o Jornal «A GUARDA», fundado a 15 de maio de 1904, por iniciativa do bispo D. Manuel Vieira de Matos.

Durante o primeiro ano, apareceu como boletim quinzenal com secções de pastoral, homilética, religiosa, científica, literária e noticiosa. Só depois começou a ser publicado como semanário católico regionalista, menção que ainda hoje mantém.

Foto – Diocese da Guarda

A vida do jornal «A GUARDA» “nem sempre foi fácil”, pois, em virtude de perseguições políticas, teve de se editar quase na clandestinidade, com recurso a outros títulos (A Velha Guarda – 1913, A Guarda Avançada – 1913, Jornal da Guarda – 1913 a 1919).

A partir da cidade mais alta do país, o jornal tornou-se a matriz de uma cadeia de jornais que, aproveitando as suas páginas doutrinais, fizeram edições locais com colaboração e publicidade próprias. Estas edições, que funcionavam como órgãos do movimento católico, acabariam por desaparecer com a implantação da República.

O semanário, para além da política, fazia catequese, divulgava a doutrina social da igreja, e dava voz às aldeias.

Na altura, o aparecimento do semanário a «GUARDA» levou o Partido Democrático a fundar o semanário «O COMBATE», dirigido pelo poeta José Augusto de Castro.

Do ponto de vista da história local e nacional, o Semanário «A GUARDA» foi “um arauto, durante os seus primeiros 30 anos de publicação”.

Seguiu-se um novo ciclo social e de apaziguamento.

O episcopado abandona o projecto de criação de um Partido católico e a Igreja não discute a cor do regime desde que as suas liberdades, direitos e garantias sejam respeitados.

A partir desta altura o semanário «A GUARDA» começou a ter “menor visibilidade”.

Os bispos avançam com o projecto de um diário próprio, o NOVIDADES e com jornais locais em cada diocese.

Da exposição também fazem parte o Diário de Pernambuco, fundado em 7 de Novembro de 1825, que é “o jornal mais antigo de língua portuguesa”, e “O Açoriano”, fundado em 18 de Abril de 1835, em São Miguel, nos Açores, “o mais antigo jornal em circulação em Portugal”.

A mostra contará ainda com alguns documentos que integram a história dos 120 anos do Jornal A GUARDA.

A inauguração da exposição conta com a presença do bispo da Guarda, D. Manuel Felício, do presidente da Câmara da Guarda, Sérgio Costa e de um representante da Associação Portuguesa de Imprensa.

LFS

Partilhar:

Últimas AGENDA

Notícias do dia

Maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
plugins premium WordPress
Scroll to Top