Religiosos lamentam «debate insuficiente» na sociedade

 

Lisboa, 24 mai 2018 (Ecclesia) – Os jesuítas portugueses publicaram hoje uma tomada de posição contra a legalização da eutanásia, lamentando o que consideram ser um “debate insuficiente” na sociedade.

Recordando a petição pública dirigida à Assembleia da República em fevereiro de 2016, assinada por diversas personalidades que pediam a “despenalização da morte assistida”, os membros da Companhia de Jesus entendem que “a reflexão que se gerou na sociedade não foi suficientemente esclarecedora”.

“A pergunta que importa fazer é se o caminho preconizado pela petição e acolhido pelos distintos Projetos de Lei é o que melhor responde à necessidade de acompanhar quem se aproxima do final da vida. E quanto a isso a nossa convicção é clara: não!”.

Os jesuítas portugueses entendem que existe “uma enorme confusão de conceitos” neste campo, sem perspetivas de esclarecimento.

“Lamentamos que haja, da parte de alguns deputados, a tentação de se fecharem à sociedade civil e de se precipitarem a apoiar uma lei sobre a qual muitos portugueses não estão esclarecidos, não compreendendo sequer as suas consequências”, pode ler-se.

O Parlamento vai discutira 29 de maio quatro Projetos de Lei (PAN, BE, PEV e PS) que pretendem despenalizar a eutanásia em casos de lesão incurável e de doença grave sem perspetiva de cura.

“Não está em causa desligar algum suporte artificial de vida ou interromper tratamentos desnecessários, mas provocar ativa e intencionalmente a morte”, assinala o editorial publicado no portal dos Jesuítas em Portugal, ‘Ponto SJ’.

OC

Partilhar:
Share