D. Manuel Quintas presidiu ao Dia do Corpo Nacional de Escutas na diocese em Loulé

D. Manuel Quintas (Foto Samuel Mendonça/Folha do Domingo)

Faro, 28 mai 2019 (Ecclesia) – O bispo do Algarve afirmou que o Corpo Nacional de Escutas “continua a ser perfeitamente atual nos valores que propõe e na pedagogia que apresenta, sobretudo porque proporciona uma educação integral e integradora”, no dia do movimento católico.

“Vós, escuteiros, pela vossa própria formação, pelo vosso próprio ideal, viveis totalmente esta dimensão do serviço e da dedicação aos outros”, disse D. Manuel Quintas, este domingo, na homilia da Eucaristia.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, pelo jornal ‘Folha do Domingo’, o bispo diocesano realçou a colaboração dos escuteiros católicos em iniciativas de “solidariedade para ajudar os outros” ou para “purificar e limpar os ambientes de tudo aquilo que deteriora e deturpa a beleza da natureza”.

“Cresceis com o ideal do bem, daquilo que é bom, da beleza, da verdade no vosso coração”, afirmou, desafiando-os a “acolher” o escutismo como “uma escola por excelência de vida” e a aprender as regras que “o escutismo propõe e os valores que defende para viver”.

“Para atingir a verdadeira realização pessoal, humana e cívica também, e, sobretudo, para crescer na corresponsabilidade comum”, acrescentou.

Na homilia da Missa deste domingo, D. Manuel Quintas desejou que o escutismo no Algarve “continue a ser um movimento que acolhe, que ajuda a crescer, que está atento” e que escuta as necessidades “a todos os níveis e procura também corresponder de diferentes maneiras e de diferentes modos”.

“Vamos pedir ao Senhor que abençoe este movimento na nossa diocese”.

Pelos 96 anos do CNE em Portugal, dos 87 anos de presença na região algarvia e dos 50 de vida do escutismo em Loulé, os escuteiros católicos do Algarve celebraram o Dia do CNE com dois dias de atividades, a 25 e 26 de maio.

(Foto Samuel Mendonça/Folha do Domingo)

“Neste Dia do CNE, somos todos chamados a vivê-lo com a alegria de quem vive a Mãe Soberana e com a arte de quem vive para construir um mundo melhor. Quinze dias após a festa da grande Mãe Soberana desafiámos todos os escuteiros a encher novamente de alegria as ruas da cidade de Loulé. Viva a Mãe Soberana! Viva o CNE!”, disse o chefe regional do Algarve José Cercas Vicente, que está a concluir o último triénio de um conjunto de três como responsável.

O jornal diocesano ‘Folha do Domingo’, informa ainda que depois da Eucaristia, os escuteiros participaram num jogo com vários postos e, após o almoço, e desmontagem do campo concluíram a atividade que contou com a participação de cerca de 750 escuteiros de 20 dos 35 agrupamentos no Algarve.

Atualmente, com quase 2400 elementos, o Corpo Nacional de Escutas foi fundado em 1932 no Algarve pelo cónego José Augusto Vieira Falé.

CB

Partilhar:
Share