A sonoridade e os objetivos da celebração dos 250 anos da restauração da diocese de Beja já estão desenhados: é tempo de festa, de todos se sentirem parte de uma história que importa assinalar para depois, congregados, caminharem juntos e construírem a Igreja em comunidade.
Os sons e cantares são uma forma de religiosidade a preservar mas como primeiro passo de um caminho de formação que importa propor. Reportagem com D. João marcos, bispo da diocese, na paróquia da Vidigueira, que aposta na formação catequética de adultos, tudo ao som dos cantares alentejanos, Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO desde 2014.

Partilhar:
Share