Ação missionária inclui áreas como educação e formação, saúde, pastoral, sociocultural, desenvolvimento comunitário ou promoção da cultura

Foto: Regina Silva, voluntariado passionista

Lisboa, 24 out 2021 (Ecclesia) – Um total de 53 voluntários portugueses parte de Portugal em missão, ao longo de 2021, superando as limitações impostas pela pandemia nos últimos meses, informou hoje a Fundação Fé e Cooperação (FEC), ligada à Igreja Católica.

“A pandemia de Covid-19 veio mudar as nossas vidas. No entanto, a pandemia não conseguiu retirar a fé, a esperança e a vontade de partilhar dos voluntários missionários”, refere a organização, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, assinalando a celebração do Dia Mundial das Missões.

A FEC precisa que, em 2020, alguns dos voluntários tiveram de regressar ao país, mas em 2021 “estão a voltar a partir”.

As áreas de intervenção das missões em 2021 são “a educação e formação, saúde, pastoral, animação sociocultural, agricultura, construção de infraestruturas, desenvolvimento comunitário, promoção da cultura e finalmente, empreendedorismo”.

“Os público-alvo das missões são maioritariamente crianças, jovens, mulheres, famílias, homens, idosos e técnicos de associações”, acrescenta a nota.

Em missões de curta duração partem 37 pessoas: duas para Moçambique, 11 para Angola, seis para a Guiné-Bissau, 10 para São Tomé e Príncipe, e oito para o Brasil.

O grupo integra 31 mulheres e seis homens: 43% são estudantes, 32% vão durante o seu período de férias, 8% pediram licença sem vencimento, 8% têm outra ocupação, 5% são reformados e 3% estão desempregados.

As principais marcas que os projetos de voluntariado Ad Gentes deixam nos voluntários(as) continuam a ser maior sensibilização para a interculturalidade, aprendizagem de novas formas de ser/estar,  continuação do apoio aos projetos locais a partir de Portugal, maior consciência das interdependências globais, maior valorização dos recursos naturais (por exemplo, a água), desejo de voltar para o país de missão para trabalhar em ONGD, empresa ou associação, e espírito de entrega e serviço, não se poupando a esforços na busca do bem daqueles a quem pretende servir”.

A FEC sublinha que, em Portugal, a missão também continua, “com 211 voluntários em missão e em projetos com periodicidade diária, quinzenal ou anual”.

“Os voluntários trabalham em projetos de animação sociocultural, pastoral, educação, ambiente, saúde e construção e limpeza. Os público-alvo das missões são maioritariamente jovens, crianças, idosos, famílias e pessoas portadoras de deficiência”, sublinha o comunicado.

Os dados divulgados este domingo resultam de um inquérito feito a 61 Entidades com diferentes estatutos que integram a Rede de Voluntariado Missionário coordenada pela FEC, nomeadamente ONGD, IPSS, Associações Juvenis, Congregações Religiosas, Paróquias, Dioceses, Fundações e grupos informais de jovens e adultos; dessas entidades, responderam 42.

A Fundação Fé e Cooperação dinamiza a Rede do Voluntariado Missionário desde 2002; o voluntariado missionário distingue-se do voluntariado internacional para a cooperação principalmente pela sua génese cristã-católica.

OC

Dia Mundial das Missões: Papa desafia Igreja a missão de «compaixão» para o pós-pandemia

Partilhar:
Share