Responsável da Quercus e da rede «Cuidar da Casa Comum» recorda importância de preservar um bem «precioso»

Lisboa, 22 mar 2020 (Ecclesia) – A celebração do Dia Mundial da Água, que se assinala hoje, deve questionar os “hábitos” de consumo no mundo ocidental, disse à ECCLESIA Carmen Lima, da Quercus.

“Temos de mudar os nossos hábitos de consumo o mais depressa possível”, referiu, em entrevista emitida este domingo na Antena 1.

Carmen Lima integra a plataforma ‘Cuidar da Casa Comum’, rede de instituições, organizações, obras, movimentos da igreja católica e de outras igrejas cristãs, que visa aprofundar e difundir a encíclica Laudato si’ do Papa Francisco.

A entrevistada destaca a importância de preservar os recursos hídricos, um bem que, no futuro, só vai estar acessível a alguns, destacando a “quantidade e qualidade” da água em Portugal.

“Muitas vezes não temos essa noção”, aponta, lamentando o desperdício de água que estaria em perfeitas condições para o consumo humano.

Em Portugal, um dos problemas persistentes é a perda entre o processo de captação de água e as casas de cada um, uma questão com peso financeiro e, sobretudo, um “desperdício de um bem precioso”.

Para Carmen Lima, é preciso ouvir o Papa, quando fala da água como um direito humano básico, algo principalmente relevante em muitos dos países mais pobres do mundo.

“A água é de todos, não é só de alguns”, observa.

É muito importante que mudemos os nossos comportamentos em relação à forma como consumimos a água, os nosso comportamentos ambientais, para minimizar efeitos”.

A autora do livro ‘Não há planeta B’ lembra que água própria para o consumo é um “recurso limitado”, apenas 1% dos recursos hídricos do mundo, pelo que se devem limitar quaisquer desperdícios, recorrendo preferencialmente às águas recicladas para a indústria e a agricultura.

“Num minuto, podemos estar a gastar 12 litros de água num banho”, exemplifica.

Outro tema abordado é o aumento da poluição, em particular do plástico nos oceanos: “Ao poluir os rios e mares, estamos a prejudicar-nos no futuro, em termos de sustentabilidade alimentar”.

Na mensagem para o Dia Mundial da Água de 2020, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que “os recursos hídricos do mundo estão sob uma ameaça sem precedentes”.

O responsável português recorda que cerca de 2,2 mil milhões de pessoas carecem de água potável e 4,2 mil milhões vivem sem acesso a saneamento adequado.

Este ano, o Dia Mundial da Água destaca o impacto das alterações climáticas.

OC

 

Partilhar:
Share