Fundação SPES promoveu homenagem ao primeiro bispo de Setúbal

Porto, 20 jan 2018 (Ecclesia) – O presidente da Fundação SPES, que promoveu hoje no Porto uma sessão de homenagem a D. Manuel Martins, primeiro bispo de Setúbal, disse à Agência ECCLESIA que o prelado foi um “grande defensor dos mais fracos” da sociedade.

José Ferreira Gomes evocou a “angústia pelos problemas dos mais fracos” sentida pelo primeiro bispo de Setúbal, considerando que este deixou como herança uma “leitura muito aguda” dos acontecimentos do quotidiano.

No dia do 91.º aniversário de natalício de D. Manuel Martins, a Fundação SPES quis prestar, por isso, uma “sentida e muito merecida homenagem” a esta figura.

D. António Bessa Taipa, administrador diocesano do Porto, destacou na sua intervenção a presença “viva e ativa” de D. Manuel Martins na Igreja e na sociedade, considerando-o como alguém que se “impôs pela sua vida, pela sua maneira de ser e de estar”.

O responsável prestou homenagem ao “sacerdote e bispo” que teve uma existência “entregue aos homens, cuja vida fazia sua”.

“Era um homem profundamente livre”, disse o administrador diocesano do Porto.

D. Carlos Azevedo, delegado do Conselho Pontifício da Cultura (Santa Sé), considerou o falecido bispo de Setúbal como “um praticante existencial daquilo que eram os princípios e os valores” de D. António Ferreira Gomes, bispo do Porto, na luta pelos mais fracos e na defesa da justiça.

A iniciativa decorreu no Auditório Paroquial de Cedofeita (Porto) e no final da sessão teve lugar lançamento do livro ‘Nascemos Livres’, com textos da autoria de D. Manuel Martins, entre setembro de 2016 e setembro de 2017, publicados no ‘Jornal de Matosinhos’.

Entre os participantes estavam Silva Peneda, ex-ministro do Emprego e Segurança Social; o padre José Aires Lobato, vigário-geral da Diocese de Setúbal; Luís Morgado, operário metalúrgico em Setúbal e sindicalista.

O primeiro bispo de Setúbal nasceu a 20 de janeiro de 1927, em Leça do Balio, Matosinhos; foi ordenado sacerdote em 1951, após a formação nos seminários do Porto, seguindo-se a frequência do curso de Direito Canónico na Universidade Gregoriana, em Roma.

Pároco da Cedofeita, no Porto, entre 1960 e 1969, D. Manuel Martins foi nomeado vigário-geral da diocese nortenha em 1969, antes de assumir a missão de bispo na diocese sadina; no dia 23 de abril de 1998, o Papa João Paulo II aceitou o seu pedido de resignação ao cargo.

A Fundação SPES foi instituída por testamento de D. António Ferreira Gomes (1906-1989), bispo do Porto, e teve como primeiro presidente D. Manuel Martins.

LFS/CB/OC

Partilhar:
Share