Academia Pontifícia para a Vida critica lógicas «nacionalistas», que prejudicam países mais pobres

Foto: Lusa

Cidade do Vaticano, 22 jan 2021 (Ecclesia) – O Vaticano alertou hoje, em comunicado, para o risco de “graves injustiças” na produção e distribuição de vacinas contra a Covid-19, face às dificuldades que se têm registado neste processo, a nível global.

“Há muito oposição, competição e o risco de graves injustiças”, indica uma nota da Academia Pontifícia para a Vida, enviada à Agência ECCLESIA, pedindo “sistemas adequados para a transparência e a colaboração”.

O texto admite que os processos de vacinação que decorrem em vários países têm enfrentado “problemas muito graves”, recordando as intervenções do Papa em defesa de “vacinas para todos, especialmente para os mais vulneráveis e necessitados”.

Reforçando a mensagem que tinha deixado em dezembro, a Academia Pontifícia para a Vida convida a superar a lógica do “nacionalismo”, questionando a “tentativa de diversos estados de ter sua a própria vacina mais rapidamente”.

O organismo da Santa Sé pede acordos internacionais, também na área das patentes, que ajudem a “manter o preço controlado no futuro”.

“A produção industrial da vacina deve se ser um operação de colaboração entre estados, empresas farmacêuticas e outras organizações, para que possa ser realizado simultaneamente em diferentes áreas do mundo”, sustenta a nota.

A Academia Pontifícia para a Vida fala numa “oportunidade extraordinária para um futuro novo e mais favorável” com a vacina, apelando a uma distribuição justa.

“Deve evitar-se que alguns países recebam a vacina muito tarde por causa de escassez devido à compra prévia de grandes quantidades pelos estados mais ricos”, pode ler-se.

OC

Covid-19: Vaticano insiste na necessidade de assegurar vacinação nos países mais pobres

Partilhar:
Share