Quinta sessão de ciclo «O desafio da (i)Humanidade de Grupo» destacou a necessidade da Igreja se aproximar dos jovens e da família

Lisboa, 17 mar 2021 (Ecclesia) – O padre Licínio Cardoso, coordenador da Pastoral na Diocese de Aveiro, afirmou hoje que a pandemia “desmascarou muitas realidades” na Igreja e na sociedade, falando na quinta sessão dos colóquios online ‘O desafio da (i)Humanidade de Grupo’.

“Esta pandemia desmascarou muitas realidades na Igreja e na sociedade, por isso é importante a cultura do encontro, do diálogo e da valorização do humano”, referiu o participante no ciclo de debates promovido pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais e a Agência ECCLESIA desde 17 de fevereiro.

O encontro semanal reúne convidados das várias dioceses, a partir dos dois últimos documentos publicados pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), ‘Recomeçar e reconstruir’ e ‘Desafios pastorais da pandemia à Igreja em Portugal’.

Na sua intervenção, o coordenador da Pastoral na Diocese de Aveiro realçou também que se vive numa “Igreja demasiado clerical” e a “este clericalismo deve suceder a sinodalidade”.

Anabela Borba, presidente da Cáritas Diocesana de Angra (Açores), assinalou por sua vez que a pandemia “afetou todos os pontos da sociedade” e acelerou alguns processos, com feridas “fundas” e “um aumento flagrante das desigualdades sociais e da precariedade laboral”.

A Igreja deve ser “transformadora” e colocar a sua tónica na educação dos jovens “para a missão de evangelizar”, acrescentou a responsável, para quem, além da atenção aos jovens, é preciso apostar “na proximidade entre as gerações” e ajudar a “transformar a vida cristã das famílias”.

O padre Carlos Aquino, pároco de Loulé (Diocese do Algarve), referiu que o primado da palavra deve ser valorizado porque “existe muito analfabetismo bíblico” e uma “crise de linguagem”.

Para o sacerdote, a chave passa pela sinodalidade entre o clero, entre o povo de Deus e nas atividades pastorais.

Segundo o responsável, existe “uma grande dificuldade no compromisso”, por isso apela “à criatividade” nas atividades pastorais.

Durante o tempo de pandemia, “a proposta espiritual foi fortificada no seio da família” na Diocese do Algarve, mas a integração dos jovens nas comunidades “é difícil”.

“A Igreja necessita de sair e ir ao encontro dos jovens”, apelou

Na linha das apostas, o pároco de Loulé propõe “pequenos grupos comunitários”, nos quais “é mais fácil partilhar a palavra e a vida”.

O vigário episcopal para a Pastoral da Diocese de Setúbal, padre Luís Ferreira, sublinhou que nos últimos tempos “houve criatividade, mas também se sentiram dificuldades nas comunidades”.

Os secretariados e os movimentos ficaram “aprisionados” porque estão habituados “ao modelo presencial”, acentuou o padre Luis Ferreira.

Na sua intervenção, o sacerdote da diocese sadina frisou que D. José Ornelas de Carvalho, bispo de Setúbal, centrou a sua pastoral em dois conceitos – fraternidade e proximidade – e quer os jovens como intervenientes da pastoral, por isso “apostou nas visitas pastorais com dinamismo juvenil”.

LFS/OC

Partilhar:
Share