D. António Couto convida à oração e vivência interior da Quaresma

Foto: Diocese de Lamego

Lamego, 16 mar 2020 (Ecclesia) – O bispo de Lamego publicou uma nota sobre a pandemia do Covid-19, pedindo que as pessoas acatem as recomendações de isolamento que visam evitar a propagação do vírus, algo que apresenta como gesto de “amor” ao próximo.

“O ‘isolamento social’ a que todos nos devemos votar é determinante para o bem de todos e de cada um. ‘Fechados em casa’ pode ser também um ato de amor”, escreve D. António Couto, numa mensagem enviada hoje à Agência ECCLESIA.

O responsável apela à oração e à vivência interior do tempo da Quaresma, com que os católicos se preparam para a celebração da Páscoa.

“Nesta hora crítica, em termos de saúde pública, em que se tornou necessário reunir todas as nossas forças, inteligência, alma e vontade, e lançar mão de medidas de exceção nunca antes vistas sobre a terra, quero expressar a todos os diocesanos de Lamego, que vivem nas suas 223 Paróquias, ou no mundo da emigração, a minha total comunhão e a garantia da minha presença e da minha oração, e o conforto da esperança, flor que Deus nunca permitirá que deixe de alumiar os meus olhos e os meus passos”, refere D. António Couto.

O responsável católico deixa votos de que ninguém seja “marginalizado”, neste momento de crise, pedindo especial atenção aos “doentes e mais marginalizados”.

“A todos peço a máxima atenção e dedicação. A todos peço responsabilidade, seriedade, serenidade e determinação para entrarmos juntos nesta ‘luta do amor’, sendo que o amor é sempre uma luta, uma guerra, que nos tem de mobilizar a todos”, acrescenta.

O bispo de Lamego dirige-se aos membros do clero diocesano, apelando para que “tomem consciência de que a principal missão que lhes é pedida, nesta hora de crise, que continua a ser também e sempre hora de graça, é a de rezar diariamente por todo o Povo Santo de Deus”.

Não se realizando celebrações comunitárias da Eucaristia, é bom que o Povo Santo de Deus saiba e sinta que os seus párocos e todos os sacerdotes e consagrados cumprem diariamente, ainda com maior amplitude, intensidade e fervor, a missão que Deus lhes confiou de rezar por todos”.

D. António Couto invoca a proteção de Nossa Senhora dos Remédios e de São Sebastião, “padroeiro e protetor em todas as circunstâncias adversas, como é hoje esta terrível doença que afeta a humanidade”.

O número de infetados pelo novo coronavírus em Portugal subiu para 331, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde.

OC

Partilhar:
Share