Mais de 1400 inquéritos a famílias, adolescentes e catequistas abordaram impacto dos confinamentos

Lisboa, 12 abr 2021 (Ecclesia) – O Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa divulgou os resultados de 1400 inquéritos a sobre o impacto dos confinamentos, referindo que a pandemia “não abalou significativamente a fé” dos católicos.

“A pandemia não abalou significativamente a fé, pelo contrário, foi um alicerce importante para ajudar as famílias, adolescentes e catequistas a ultrapassar as dificuldades”, indicam os responsáveis pela leitura desta consulta, partilhada no domingo, durante a Assembleia Diocesana de Catequistas, que decorreu online.

‘Olhares sobre a pandemia, releitura da vivência da catequese’ foi o tema do encontro em que foram apresentados os resultados da pesquisa realizada em 26 paróquias, envolvendo 558 famílias, 601 adolescentes, 289 catequistas e 19 párocos, além de 60 desenhos de crianças dos 6 aos 8 anos de idade.

Os dados foram apresentados por Patrícia Dias, investigadora da Universidade Católica Portuguesa (UCP), que se dedica à relação entre as crianças e as tecnologias digitais, catequista na Diocese de Setúbal.

A especialista realçou que a catequese presencial é preferida pela maioria das crianças e adolescentes (65,1%), por considerarem importante “o contacto com os pares e com o catequista e por terem mais dificuldades em acompanhar a partir de casa”.

Durante os meses de pandemia, 95,2% dos grupos inquiridos no Patriarcado de Lisboa tiveram catequese online; os inquéritos mostram que os catequistas desenvolveram competências digitais, mas “teriam beneficiado de um apoio mais organizado por parte das paróquias”.

O padre Tiago Neto, diretor do Setor da Catequese do Patriarcado, destacou, na sua intervenção, que “muitos catequistas não se deixaram ficar para trás”, no momento em que as atividades presenciais foram suspensas.

O sacerdote indicou que estes inquéritos visam fazer uma leitura do que as pessoas viveram e os “desafios” que isso traz às comunidades católicas.

Segundo os inquiridos, a sua espiritualidade tem-se “fortalecido” ou mantido durante a pandemia; os adolescentes são o grupo que se mostra mais “abalado” pelo impacto da Covid-19 (14,2%), seguidos dos catequistas (13,9%) e famílias (3,6%)

Quanto à oração, 29% dos adolescentes dizem rezar todos os dias e 42% fazem-no uma ou mais vezes por semana.

Segundo Patrícia Dias, a catequese continuou a ter “um papel muito importante para a oração em família” – 35,6% das respostas; já os catequistas foram o grupo que mais valorizou os recursos de aplicações móveis – 45,3%.

A consulta mostrou a importância das transmissões das Eucaristias nas plataformas digitais, TV e rádio para as famílias (85,2%), durante a pandemia; a percentagem mais elevada de participação presencial, em todos os domingos, é a dos catequistas, com 67,6%

A Assembleia Diocesana de Catequistas concluiu-se com uma intervenção de D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca, sobre o tema ‘Catequese e evangelização, a inculturação da fé’.

O responsável falou dos “novos métodos” que a pandemia “obrigou” a utilizar e agradeceu o trabalho dos catequistas, na linha da frente da evangelização.

O patriarca de Lisboa convidou a ter em consideração o “quadro mental e de sensibilidade” com que cada um vê o mundo, particularmente numa cidade onde vivem pessoas de quase 100 nacionalidades.

“Toda a evangelização e a catequese é um trabalho cultural”, com atenção aos “auditórios”, precisou.

OC

 

Assembleia Diocesana de Catequistas – II

👉Acompanhe em direto a Conferência: Catequese e evangelização, a inculturação da fé Proferida por D. Manuel Clemente, Cardeal Patriarca de Lisboa

Posted by Patriarcado de Lisboa on Sunday, April 11, 2021

Partilhar:
Share