Telecatequese, celebrações da Palavra online e ajuda a quem precisa são propostas da comunidade da Diocese do Porto, para que “ninguém se sinta abandonado”

Porto, 30 mar 2020 (Ecclesia) – A comunidade paroquial da Areosa, na Diocese do Porto, está “ir ter com o povo” com um projeto de “telecatequese” e a transmissão de celebrações da Palavra online com o contributo dos  grupos,  procurando “que ninguém se sinta abandonado”.

“Pareceu-nos importante, a mim e ao pároco, as celebrações online e que nunca poderíamos abandonar o nosso rebanho. A Bíblia diz isso em muitas passagens e pensámos: o que vamos agora fazer agora que o povo não pode ir à igreja?”, conta o padre José Maia, vigário paroquial, à Agência ECCLESIA.

O sacerdote explica que “é altura de ir ter com povo, ir ter à casa das pessoas” e destaca a preocupação com a comunidade da catequese, que integra 540 crianças, para que se mantenham recordadas da sua comunidade.

“Decidimos apenas transmitir celebrações da Palavra e, em cada domingo, temos um grupo de catecismo a dinamizar. Faço um guião em cada semana para acompanhar a celebração e os catequista têm sido incansáveis! Há a telescola e nós temos a telecatequese, com imensos pais a acompanhar as crianças em suas casas”, refere o padre José Maia.

Com a ajuda de paroquianos com conhecimentos na área das novas tecnologias, as celebrações da Palavra, a cada domingo, são transmitidas online, com participação das crianças, de adultos e do grupo de jovens que deixa a sua marca no fim da celebração. 

“Temos grupos de jovens comprometidos, temos a  escola de música com 320 alunos e, com essa possibilidade, o cântico final é da sua responsabilidade”, explica o sacerdote claretiano.

O padre José Maia refere ainda a proximidade da paróquia com o Hospital de São João, no Porto, e reconhece que esta experiência está a atingir os objetivos: “que o povo, crianças e pais não se sentissem abandonados”.

Para o próximo domingo, dia 05 de abril, o vigário paroquial já preparou o guião e adiantou que a celebração da Palavra está a cargo dos jovens.

“Esta tem sido uma experiência que nunca nos passou pela cabeça, com muita coisa pensada e filmada que temos, chegou esta altura de ter de recorrer a esta tecnologia. As pessoas estão a levar isto muito a sério e merecem que o façamos e deixam um registo a dizer que se estão a sentir bem”, reconhece.

Segundo o sacerdote, as celebrações têm sido transmitidas da capela do Santíssimo, um espaço mais pequeno, mas agora na Semana Santa irão celebrar na Igreja para que o “povo veja e recorde a sua Igreja” e as iniciativas dos dias da semana são da responsabilidade dos vários grupos. 

“Tudo para que o nosso povo não se sinta abandonado. E muita gente da comunidade sente-se motivada a participar”, resume.

Além das transmissões online a paróquia da Nossa Senhora da Areosa, em parceria com as juntas de freguesia de Campanhã e Paranhos, colocaram à disposição uma linha telefónica para acompanhar quem está só e para ajudar quem precisa.

“Já tinhamos o movimento ‘sentinelas de rua’ que servia para atender pessoas em solidão. Agora, com esta crise, surge deste modo o número 968137786, que serve para ajudar nesta fase de isolamento”, explica o padre José Maia

SN

Partilhar:
Share