«Com esta pandemia, todos nos damos conta da realidade frágil que somos» – Irmã Maria Clara

Leiria, 15 jun 2021 (Ecclesia) – A madre abadessa do Mosteiro das Irmãs Clarissas de Monte Real disse que o convento de contemplação reforçou a oração pela humanidade, por causa da Covid-19, mas a vida das religiosas “pouco mudou” durante a pandemia.

“Perante as notícias de sofrimento de tantos irmãos reforçamos a oração, fizemos muita oração, porque aqui estávamos bem”, recordou a irmã Maria Clara, em declarações à Agência ECCLESIA.

A responsável pela comunidade de vida contemplativa de Monte Real, na Diocese de Leiria-Fátima, explicou que os portões estavam fechados por recomendação das autoridades de saúde, por serem “uma comunidade de risco”, com muita gente numa casa.

A GNR também “passava de vez em quando, a ver se estava tudo em ordem”.

Para a irmã Maria Clara, quem quiser “dar um contributo muito válido à humanidade” tem de levar “Deus para a comunidade” e é isso que as Irmãs Clarissas procuram fazer.

“Mudou a realidade de vermos a fragilidade e impotência do homem, da humanidade, do homem que hoje se quer por no lugar de Deus. Hoje a ciência evoluiu muito, e damos graças a Deus por isso, mas afastaram Deus”, lamentou.

“Com esta pandemia, todos nos damos conta da realidade frágil que somos e quão frágil é a nossa vida. Agora temos duas atitudes: podemos ficar serenamente em paz ou então podemos desesperar”, acrescentou.

A responsável observa que “há males que fazem parar e pensar”, como a atual pandemia de Covid-19.

“Fazendo esta aproximação a Deus, a vida não é uma desgraça, é bela, é qualquer coisa de fascinante”, concluiu.

CB/OC

 

Igreja: Jovens clarissas de Timor-Leste professaram votos temporários no Convento de Monte Real (c/vídeo)

Partilhar:
Share