Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa recebeu primeiro-ministro

Lisboa, 20 abr 2020 (Ecclesia) – O primeiro-ministro português elogiou hoje o “exemplo” da Igreja Católica durante o estado de emergência, apontando ao regresso gradual das celebrações religiosas em maio.

António Costa falava aos jornalistas após uma reunião com presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Manuel Clemente, na residência do cardeal-patriarca, junto ao Seminário dos Olivais.

Os responsáveis debateram o levantamento das restrições às celebrações religiosas face à pandemia de Covid-19.

“Deveremos, a partir de maio, começar a encontrar um maior ponto de normalidade, nas celebrações religiosas, tendo em conta a previsão que temos”, disse o primeiro-ministro.

Esse regresso será feito ” gradualmente e com todos os cuidados sanitários” que permitam aliviar as atuais medidas de contenção, mas o chefe do Executivo não quis comentar a forma como será retomada a celebração comunitária das Missas.

“É uma decisão que caberá, sobretudo, à Igreja Católica e aquilo que me foi transmitido é que a Igreja continuará a ser um exemplo e uma referência na forma de celebração da fé, mantendo naturalmente as regras que podem contribuir positivamente para a saúde pública”, acrescentou.

O chefe do executivo disse ter transmitido a D. Manuel Clemente os agradecimentos do Governo pelo “grande esforço e exemplo” que a Igreja Católica tem dado, “muito em particular durante a quadra pascal”.

António Costa assinalou que maio é “um mês particularmente importante para a Igreja Católica”, apontando ao diálogo com as várias confissões religiosas para enfrentar o “longo período” até ao regresso à normalidade, provavelmente no verão de 2021, quando houver uma vacina para o novo coronavírus.

“A seguir ao estado de emergência, não volta tudo ao normal”, advertiu.

O Santuário de Fátima anunciou a 6 de abril que a peregrinação internacional que assinala anualmente o 13 de maio vai decorrer este ano sem a presença de assembleia, devido à pandemia de Covid-19

Foto: Lusa

A Agência ECCLESIA confirmou junto do secretário e porta-voz da CEP, padre Manuel Barbosa, a realização de um encontro entre membros do Conselho Permanente do organismo episcopal, esta terça-feira, após o qual deve ser dada a conhecer a posição da Igreja Católica.

Por esse motivo, D. Manuel Clemente não prestou declarações aos jornalistas, esta manhã.

No dia 13 de março, a Conferência Episcopal de Portugal determinou a suspensão de todas as celebrações comunitárias de Missas em Portugal, até “ser superada a atual situação de emergência”, com limitações ainda às celebrações de batismos, matrimónios e funerais.

O decreto que renovou o estado de emergência, em vigor até o final do dia 2 de maio, apresenta medidas de restrições à liberdade de culto, para reduzir o risco de contágio e executar as medidas de prevenção e combate à epidemia, incluindo “a limitação ou proibição de realização de celebrações de cariz religioso e de outros eventos de culto que impliquem uma aglomeração de pessoas”.

Quanto aos funerais, com ou sem acompanhamento religioso, o decreto determina que a sua realização “está condicionada à adoção de medidas organizacionais que garantam a inexistência de aglomerados de pessoas e o controlo das distâncias de segurança, designadamente a fixação de um limite máximo de presenças”, a determinar pela autarquia local que exerça os poderes de gestão do respetivo cemitério.

PR/OC

Notícia atualizada às 12h00

Covid-19: Conferência Episcopal determina suspensão da celebração comunitária das Missas (c/vídeo)

Covid-19: Confinamento social gerou uma experiência «monástico-digital» que vai permanecer «como complemento», afirma D. Manuel Clemente

Partilhar:
Share