Irmã Lúcia Pinheiro, Concepcionista ao Serviço dos Pobres, descreve o projeto que acolhe “pessoas especiais”

Lisboa, 27 out 2021 (Ecclesia) – A irmã Lucia Pinheiro, Concepcionista ao Serviço dos Pobres, natural do México, encontra-se em missão no próprio país, e contou à Agência ECCLESIA o significado da “pastoral do amor”.

“”A Pastoral del amor”, como aqui dizemos é a proteção que damos a pessoas especiais, nesta casa a pessoas com deficiência, são cerca de 60, a quem tentamos, o melhor possível, dar dignidade, ser presença e dar carinho, porque muitos são abandonados pelas famílias”, explica.

A missionária, que sempre sonhou “ir em missão ad gentes”, foi chamada à missão no próprio país, na zona de Mérida Yucatán e essa realidade tornou-se “uma grande alegria”.

Há 14 anos nesta casa a acompanhar “pessoas especiais”, a irmã Lúcia Pinheiro, que ali está com três irmãs e algumas colaboradoras, conta que lá vivem pessoas com dificuldade de mobilidade, com síndrome de Down, autismo ou atraso mental, a quem dão “proteção e dignidade”.

A mim já me calhou receber aqui quatro pessoas e não é fácil porque estão ali situações muito vulneráveis, muitas com condutas agressivas que temos de mudar, é necessário muito carinho e paciência da nossa parte, podemos dizer que é muito bonito mas é difícil porque estão habituados a viver de uma maneira e quando entram nesta casa convertem a sua vida, como que voltam a nascer”.

A Missionária Concepcionista ao Serviço dos Pobres tem uma ligação especial a Portugal, onde esteve duas vezes no seu caminho de formação, e a oração diária do terço, unida a Fátima, tornou-se um “momento de serenidade”.

“Todos os dias estamos ligados a Fátima, rezamos o terço através da televisão, e tem sido um momento muito importante porque eles rezam sempre pelas irmãs e é um momento calmo”, partilha.

As «Conversas na ECCLESIA» desta semana trazem experiências missionárias que pode acompanhar online de segunda a sexta-feira, pelas 17h00.

SN 

Partilhar:
Share