Conferencista brasileiro e italiano apresentaram temas no congresso «Pensar Fátima»

Fátima, 22 jun 2017 (Ecclesia) – A reflexão sobre as mariofanias (aparições Nossa Senhora) e a hermenêutica dos três videntes foram as duas conferências apresentadas por João Décio Passos e Franco Manzi, respetivamente, esta manhã no Centro Pastoral Paulo VI, em Fátima.

“As manifestações marianas fazem parte da história da Igreja e têm lugar privilegiado na fé do povo simples”, afirmou João Décio Passos, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil.

No primeiro momento formativo de hoje no congresso internacional ‘Pensar Fátima’, o docente fez a comunicação ‘Fátima no Contexto das Mariofanias’ e disse que as aparições são um “objeto pastoral relevante” e frisou que “essas manifestações escrevem a história de fé do povo simples”.

Segundo João Décio Passos, as aparições marianas nascem “no coração das pessoas” que procuram “libertação, marcadas pela crise e alimentadas por esperança”.

“As mariofanias são manifestações sempre atuais. Os santuários marianos são fenómenos da presença viva da fé do povo e não simplesmente centro de memória de um fenómeno do passado preservando de modo intacto no presente”, desenvolveu no Centro Pastoral de Paulo VI.

Já Franco Manzi refletiu sobre a ‘hermenêutica dos três videntes’ – Francisco e Jacinta Marto e a prima Lúcia.

O diretor da revista ‘La Scuola Cattolica’ tendo como exemplo o canto ‘Veni, creator Spiritus’ mostrou como uma “hermenêutica eminentemente pneumatológica” pode ser a representação mais apropriada para as “visões imaginativas de carácter profético-apocalítico” dos pastorinhos.

“Uma tal hermenêutica é capaz de explicar, do ponto de vista teológico do dado de fé, que as visões dos três profetas foram não apenas causadas por Deus de um modo sobrenatural, tal como reconhecido pela Igreja, mas pelo Espírito Santo”, desenvolveu o sacerdote italiano, divulga o Santuário de Fátima.

Durante esta tarde, o programa do congresso internacional ‘Pensar Fátima’ distribuiu os participantes em diversas salas para acompanharem conferências temáticas paralelas e a partir das 21h30 reúne num serão cultural o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, a jornalista Helena Matos, o eurodeputado português Paulo Rangel e o historiador Henrique Leitão para ‘Conversar Fátima 100 anos depois’.

Até este sábado estão a ser estudadas várias das dimensões de Fátima, em perspetiva interdisciplinar: Teologia, Sociologia, Psicologia, Cultura, História, Arte.

O congresso internacional é promovido pelo Santuário de Fátima e a Faculdade de Teologia, da Universidade Católica Portuguesa, que convidaram o presidente do Conselho Pontifício da Cultura da Santa Sé para a conferência final, dia 24 de junho. O cardeal italiano Gianfranco Ravasi vai apresentar o tema ‘Fátima como promessa’, no Centro Pastoral Paulo VI, seguida de um momento de diálogo.

‘Pensar Fátima’ começou esta quarta-feira e a sessão de abertura contou com D. António Marto, o reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, e o presidente da comissão organizadora, o teólogo João Manuel Duque.

CB

Partilhar:
Share