«Catequista, identidade e missão» é o tema dos trabalhos, que decorrem até sexta-feira

Foto: Educris

Setúbal, 04 abr 2018 (Ecclesia) – O bispo de Setúbal, D. José Ornelas, inaugurou hoje na cidade sadina os trabalhos do 57.º Encontro Nacional de Catequese com um apelo à “atualização” da narrativa usada na catequese.

“Hoje, particularmente, a catequese tem de ser criativa, não ficar ligado ao passado, simplesmente, porque senão a fé seria um museu”, disse, em declarações portal Educris, do Secretariado Nacional da Educação Cristã, enviadas à Agência ECCLESIA.

O bispo de Setúbal falou da necessidade de “criar o futuro”, para que a catequese “leve as pessoas a entenderem o projeto de Jesus, a comprometerem-se com ele, a reinventarem a família, a Igreja, o mundo”.

“Temos perguntas hoje que no passado, no tempo de Jesus, não se punham, não se punham ao longo da história, e nós temos de encontrar respostas para elas”, prosseguiu.

A conferência inaugural, subordinada ao tema ‘O discipulado no Novo testamento’, começou por apontar a “narração como vital na história da salvação”.

“O caminho de discipulado assenta na pregação de Jesus. Não basta contar a história. É necessário lê-la e fazer caminho. É preciso chegar ao hoje, senão não nos implicamos. Para que seja a história da vida”, disse o responsável católico.

“O Evangelho é uma narração catequética da vida de Jesus. O credo, é, ele mesmo, uma narração, um fazer memória, uma atualização do hoje da salvação”, acrescentou D. José Ornelas.

O bispo de Setúbal, biblista de formação, falou do Evangelho como “uma narração que pega na história e lhe dá sentido”.

“No ato catequético é vital contar a história da salvação com a nossa história para nos sentirmos implicados na narrativa. Deste modo entramos dentro da própria história de Jesus e fazemos aí a nossa história”, precisou.

D. José Ornelas convidou os responsáveis de catequese a repararem “como Jesus, sempre que tem de explicar alguma coisa, conta uma história”.

“Tornemos a nossa catequese cada vez mais narrativa: A narrativa da nossa vida na narrativa bíblica”, exortou.

A Diocese de Setúbal acolhe até sexta-feira o Encontro Nacional de Catequese, sob o tema ‘Catequista, identidade e missão’.

A iniciativa, promovida pelo Departamento da catequese do SNEC, destina-se a diretores e equipas dos secretariados diocesanos da catequese e procura refletir sobre a “identidade e missão” dos agentes pastorais da catequese a partir do documento da Conferência Episcopal Portuguesa ‘Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo’.

Cerca de sete dezenas de participantes vão ouvir ainda hoje Maria Luísa Boléo, do Departamento da Catequese de Lisboa; esta quinta-feira, D. António Moiteiro, bispo de Aveiro e presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé, fala sobre “A formação de catequistas: perspetivas atuais”.

OC

Partilhar:
Share