Papa Francisco aponta como modelo para a juventude de hoje o jovem que morreu aos 15 anos com fama de santidade

Lisboa, 09 out 2020 (Ecclesia) – Carlo Acutis, que faleceu com 15 anos vítima de uma leucemia fulminante e o Papa Francisco apresenta como modelo de “santidade da porta ao lado”, vai ser beatificação este sábado, numa celebração em Assis, a partir das 16h30.

“Não caiu na armadilha. Via que muitos jovens, embora parecendo diferentes, na verdade acabam por ser iguais aos outros, correndo atrás do que os poderosos lhes impõem através dos mecanismos de consumo e aturdimento”, escreveu Francisco, na exortação apostólica pós-sinodal ‘Christus Vivit’ (Cristo Vive).

O Papa refere aos jovens e a todo o povo de Deus que Carlo Acutis usou os meios digitais, “as novas técnicas de comunicação”, para “transmitir o Evangelho, para comunicar valores e beleza”, no documento que surgiu depois do Sínodo dos Bispos ‘Os jovens, a fé e o discernimento vocacional’, realizado em outubro de 2018.

Carlo Acutis nasceu em maio de 1991, em Londres onde os pais estavam a trabalhar, e faleceu em setembro 2006, em Monza (Itália), com 15 anos, vítima de uma leucemia fulminante, tendo sido apresentado desde logo como modelo de santidade e um “génio” da informática”.

O Papa Francisco aprovou o milagre atribuído à intercessão de Carlo Acutis, que abriu o caminho à sua beatificação, a 21 de fevereiro, e a cerimónia vai realizar-se este sábado, 10 de outubro, na Basílica de São Francisco em Assis (Itália), a partir das 16h30 locais (menos uma hora em Lisboa), e a celebração pode ser acompanhada em direto no sítio online do Vatican News.

Para a beatificação exigiu-se o reconhecimento de um milagre atribuído à intercessão do agora venerável Carlo Acutis, e refere-se à cura de uma criança no Brasil; o reconhecimento de outro milagre atribuído à sua intercessão vai permitir a sua canonização, que torna o culto público universal e o declara modelo de santidade.

Desde o dia 1 de outubro, após uma Missa presidida pelo bispo de Assis, D. Domenico Sorrentino, no Santuário do Despojamento, o túmulo de Carlo Acutis foi aberto, no contexto da beatificação, para um período de veneração que termina no dia 17, às 10h30 locais.

Foto Vatican News

Os pais de Carlo Acutis esperam que, “pela exposição do corpo, os fiéis possam elevar com mais fervor e fé as orações a Deus”.

“O verdadeiro milagre de Carlo Acutis é a conversão de fiéis”, referiu o reitor do santuário do Despojamento, frei Carlos Acácio Gonçalves Ferreira, Franciscano Capuchinho brasileiro.

Em Portugal foi publicado, em 2019, o livro ‘Não eu, mas Deus – Biografia espiritual de Carlo Acutis’ onde o padre Ricardo Figueiredo, do Patriarcado de Lisboa, apresenta a história de vida do jovem que descobriu quando foram aprovadas as suas virtudes heroicas, em julho de 2018.

“Carlo começa desde pequenino a dar sinais de fé e de amor a Jesus, com várias histórias que se vão contando, das amas, da própria mãe”, disse em entrevista à Agência ECCLESIA.

Segundo o padre Ricardo Figueiredo, autor do livro publicado pela Paulus Editora, Carlo Acutis cresceu com um percurso “normal de vida”, é um “jovem normalíssimo na escola”, onde também “cuida da vida cristã” e em frente aos colegas “mostra o desejo de ter formação cristã”, por exemplo, num debate na sua turma, foi “o único contra o aborto”, revelou-se também “um grande informático” e, por isso, espera que o jovem venha a ser declarado como santo padroeiro dos informáticos, mostrando “como a informática é meio de santificação pessoal e também dos outros”.

O livro ‘Não eu, mas Deus – Biografia espiritual de Carlo Acutis’ tem também uma memória fotográfica onde mostra a passagem do futuro beato por Portugal, nomeadamente Lisboa e Fátima.

CB/PR

 

Partilhar:
Share