Irmã Valéria Leal acompanhou uma delegação de Portugal que convidou e motivou a juventude brasileira à participação

Foto Agência ECCLESIA/PR, D. Américo Aguiar e Irmã Valéria Leal

Fortaleza, Brasil, 12 set 2022 (Ecclesia) – A assessora nacional da juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) disse que os jovens do país “estão mobilizados” para a JMJ Lisboa 2023 e contam com um “sinal de acolhimento” em Portugal, no próximo ano.

Em declarações à Agência ECCLESIA, a Irmã Valéria Leal afirmou que a visita de uma delegação do Comité Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) a algumas capitais dos estados brasileiros “dá uma certa segurança”.

“Às vezes, o jovem brasileiro não faz tão boa experiência de acolhimento visitando países estrangeiro. O facto de virem os portugueses aqui convidá-los é um sinal de acolhimento, dá uma certa segurança e eles sabem que quando saírem daqui vão chegar lá e não estarão sozinhos”, afirmou a responsável pela Pastoral Juvenil na CNBB.

A irmã Valéria Leal assegura que, de norte a sul do Brasil, “os jovens estão mobilizados” para participar na JMJ e a reunir fundos para os custos, nomeadamente da viagem, tendo presente ainda a experiência da jornada no Rio de Janeiro, em 2013.

“A jornada de 2013 fez com que grande parte do país já conhecesse a proposta da JMJ. E quem participa uma vez, quer sempre voltar”, afirmou a assessora da CNBB, referindo que os “maiores divulgadores são os jovens que já foram e que vão convidando outros jovens a fazer a mesma experiência”.

Foto Agência ECCLESIA/PR, D. Américo Aguiar e Irmã Valéria Leal

A Irmã Valéria Leal, que acompanhou a delegação do COL da JMJ Lisboa 2023 ao longo das últimas duas semanas, valorizou a “experiência de Deus” de cada participante na jornada, como ocasião de transformação que motiva o regresso ao seu país “mais disponível, mais entusiasmado para servir a Deus e aos irmãos”.

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, D. Américo Aguiar, esteve no Brasil para convidar os jovens brasileiros, motivar à participação e divulgar formas de participação e de inscrição; com voluntários do COL, participou na Assembleia da CNBB, em Aparecida, e depois visitou as capitais de alguns Estados, nomeadamente São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Belém e Fortaleza.

“Viemos ao encontro do continente da esperança. Queremos que os jovens brasileiros acolham o nosso convite, o convite do Papa Francisco, para estar na JMJ”, afirmou D. Américo Aguiar À Agência ECCLESIA.

Para o presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, a JMJ é como o mundial de futebol: “sem o Brasil não é a mesma coisa”.

“Para acontecer na totalidade da sua potencialidade, a JMJ tem de ter um grande contingente do Brasil. É isso que nós queremos e é para isso que estamos a trabalhar”, afirmou o bispo auxiliar de Lisboa.

  1. Américo Aguiar lembrou o “esforço muito grande” que os jovens do Brasil têm de fazer para participar na JMJ, em Portugal, tendo encontrado “muita alegria, muita confiança” na possibilidade estar em Lisboa, em agosto de 2023.

“Encontramos pessoas, homens e mulheres com sonhos, projetos, vidas. Com dificuldades, mas também com muitas oportunidades”, sublinhou o bispo auxiliar de Lisboa, que quis, com a esta visita, “reforçar o desejo verdadeiramente fraterno de ter o Brasil presente em Portugal.

  1. Américo Aguiar concluiu afirmando sentiu, nos contactos com brasileiros de diferentes geografias, o Brasil como um “verdadeiro país irmão” que, com esta visita, “se sentiu respeitado no projeto JMJ”.

PR

Partilhar:
Share