Missa presidida pelo arcebispo primaz, D. José Cordeiro, que falou em dia «particularmente significativo»

Braga, 05 dez 2022 (Ecclesia) – O arcebispo de Braga, D. José Cordeiro, presidiu hoje à Missa da festa litúrgica de São Geraldo, padroeiro da cidade, na qual foi apresentado à Arquidiocese o novo bispo auxiliar, D. Delfim Gomes.

“É para nós um motivo acrescido de alegria, porque o acolhemos neste processo sinodal em que nos situamos”, disse à Agência ECCLESIA o arcebispo primaz.

D. José Cordeiro falou num dia “particularmente significativo” para a cidade de Braga, que celebra o seu padroeiro principal.

“São Geraldo foi um arquiteto de paz, criador de pontes, um homem que olhou para a realidade do mundo e se deixou iluminar, antes de tudo, pelo Evangelho, procurando iluminar a realidade, tudo o que o circundava, com o mesmo Evangelho”, precisou.

A Eucaristia começou com um momento de apresentação de D. Delfim Gomes, pelo cónego João Paulo Abreu, deão do Cabido da Sé.

A celebração contou com a presença de D. Jorge Ortiga, arcebispo emérito de Braga, de D. António Montes, bispo emérito de Bragança, de D. Nuno Almeida, bispo auxiliar de Braga, membros do clero e institutos religiosos, autoridades autárquicas e representantes da sociedade civil.

“É uma data muito bela para que isso aconteça e pedimos a nossa intercessão de São Geraldo para o nosso ministério episcopal e para a sinodalidade que somos chamados a criar entre nós”, referiu D. José Cordeiro.

Para o arcebispo de Braga, essa sinodalidade deve marcar a relação da equipa episcopal, “na proximidade com o presbitério e com o povo de Deus”.

Na sua homilia, D. José Cordeiro falou num momento de “ação de graças pelo dom recebido e agora na missão confiada e como titular de Dume e auxiliar da Arquidiocese de Braga”.

“A sinodalidade é um caminho de escuta, que estamos a aprender juntos, para a comunhão, participação e missão na vida eclesial”, acrescentou.

D. Delfim Gomes, novo bispo titular de Dume e auxiliar da Arquidiocese de Braga, foi ordenado este domingo na Catedral de Bragança, sua cidade natal.

As celebrações desta festa, na Sé de Braga, incluíram a representação teatral “S. Geraldo e o Milagre da Fruta”, às 11h00; seguindo a tradição, o altar de São Geraldo foi ornamentado com fruta fresca, de forma a fazer alusão ao “Milagre da Fruta”.

“Com base em relatos que foram perpetuados ao longo dos tempos, S. Geraldo teria estado bastante doente numa altura de muito frio. Ele teria pedido que lhe trouxessem fruta de forma a apaziguar a fome e sede que sentia. Disseram-lhe que o frio e a neve impediam as árvores de dar fruto. Depois de alguma insistência por parte de S. Geraldo, verificou-se que as árvores do terreno onde residia S. Geraldo estavam recheadas de fruta”, refere a Arquidiocese de Braga, na sua página online.

O santo, padroeiro da cidade, nasceu em França e foi arcebispo de Braga de 1099 a 1108, “diocese onde realizou várias reformas a nível moral, eclesiástico e administrativo”; morreu em Bornes, Concelho de Vila Pouca de Aguiar, no dia 5 de dezembro 1108, durante uma visita pastoral.

OC

Igreja/Portugal: D. Delfim Gomes foi ordenado bispo, na catedral de Bragança (c/vídeo e fotos)

Partilhar:
Share