Concelho é um dos quatro que não avança para nova fase de desconfinamento

Braga, 11 jun 2021 (Ecclesia) – O arcebispo de Braga dirigiu hoje uma mensagem às comunidades católicas, apelando à responsabilidade de todos para evitar o agravamento da situação pandémica provocada pela Covid-19.

“Sinto-me no dever de interpelar todos os bracarenses, da cidade e das freguesias, a que enveredem por comportamentos concretos que possam garantir não só que a situação não evoluirá para pior, mas que juntos conseguiremos impedir o contágio”, realça D. Jorge Ortiga, num texto divulgado online pela arquidiocese minhota.

O Concelho de Braga é um dos quatro (juntamente com Lisboa, Odemira e Vale de Cambra) que não avança para a nova fase de desconfinamento, face ao elevado número de infeções.

O arcebispo local rejeita “alarmismos”, mas apela a uma responsabilidade coletiva para “inverter a curva ascendente”.

“Importa não baixar a fasquia e continuar a cumprir escrupulosamente todas as orientações da Direção Geral da Saúde quanto à higienizarão dos espaços, ao distanciamento físico das pessoas e ao uso das máscaras”, escreve.

D. Jorge Ortiga adverte para algum relaxamento nos cuidados a ter, após a vacinação, destacando que “o egoísmo complica sempre a vida”.

Viemos de uma caminhada longa de sacrifícios. Aspiramos ardentemente por dar por concluída esta anormalidade no nosso quotidiano. Pensar que tudo já passou é uma ilusão. Não podemos voltar a condicionar a alegria de viver uns com os outros”.

O arcebispo de Braga admite que será preciso renunciar a algumas das tradições ligadas aos santos populares e pede que as autoridades apontem “orientações concretas e exigentes” para evitar “atitudes de negligência ou irresponsabilidade”.

“Não permitamos que o dia de amanhã seja pior. Trabalhemos hoje para nosso bem e bem da sociedade”, conclui o responsável católico.

OC

 

Partilhar:
Share